Trapichão, o estádio que já foi Rei Pelé

Com sua construção financiada por bingos, a principal praça de esportes de Alagoas vai completar 45 anos no dia 25 de outubro próximo

Fachado Trapichão com o painel do Hércules Mendes
Primeiros trabalhos para a construção do Trapichão

Primeiros trabalhos para a construção do Trapichão. Foto acervo Museu dos Esportes

A partir de 1964, com os militares no poder, os investimentos nos esportes tomaram uma nova dimensão. O Brasil deveria aparecer para o mundo como um país desenvolvido, moderno, integrado nacionalmente. A materialização desse projeto de deu com as grandes obras e com a realização de eventos esportivos para multidões.

O reflexo desta política no futebol foi a criação do Campeonato Nacional — iniciado em 1971 — e a construção de estádios. Para se ter uma ideia destes investimentos, até 1972 já tinham sido inaugurados no Brasil mais de 30 estádios de futebol, a maioria no Nordeste.

Em Alagoas, o governador Luiz Cavalcanti foi quem ficou encarregado de construir o estádio em Maceió. Depois de formar quatro comissões para cuidar do projeto e nada ter acontecido, o “major” Luiz Cavalcanti procurou o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas, Napoleão Barbosa, expôs a ele que não tinha recursos e o convidou para assumir a coordenação do empreendimento.

A solução encontrada por Napoleão Barbosa envolvia a realização de bingos para a arrecadação de recursos. O governador não concordou sob o argumento que iniciativas semelhantes tinham suscitado dúvidas, mas disse que podia ser outro tipo de sorteio.

Quota de Participação da FAPE

Quota de Participação da FAPE

Assim, no dia 9 de outubro de 1964 foi criada a Federação Alagoana de Promoção Esportiva – FAPE e os sorteios começaram, mas atrelados aos resultados da Loteria Federal. Em entrevista à Gazeta de Alagoas em 1975, Napoleão Barbosa lembrava que o arrecadado mal dava para pagar os prêmios. Reabriu-se a discussão e os bingos foram autorizados.

Os prêmios eram atrativos. Caminhões, carros, geladeiras e casas prontas eram disputadas em bingos semanais realizados no descampado onde seria erguido o estádio. Multidões se dirigiam ao local, muitos vinham do interior do estado.

No dia 31 de janeiro de 1966, assume o comando do estado o interventor, general João José Batista Tubino, que promete dar continuidade ao projeto, mas nada acontece durante seis meses. Em novembro de 1966, após a posse de Lamenha Filho, que ocorreu em 15 de agosto de 1966, os militares resolveram normatizar os bingos em todo o país e na prática, acabaram com eles.

Vantagens para os cotistas de FAPE

Vantagens para os cotistas de FAPE

Napoleão Barbosa procurou Lamenha Filho e entregou o cargo de superintendente da FAPE, ponderando que sem bingo, não tinha condições de levar o projeto adiante. O governador pediu que ele ficasse argumentando que daria um jeito para conseguir os recursos e que tentaria a autorização para a volta dos sorteios.

Em 1967, depois de muita articulação política, o ministro da Justiça, Gama e Silva, abriu exceção para que os bingos da FAPE voltassem a acontecer. Entretanto, no primeiro bingo a ser realizado após esta autorização ministerial, o Delegado Regional do Departamento da Polícia Federal, Júlio Freire de Rivoredo, resolveu impedir a promoção.

Segundo Napoleão Barbosa, “ele disse que não deixava de jeito nenhum o bingo ser realizado e foi mais adiante ameaçando me prender se insistisse em realizá-lo. Corri, então, para contar isso ao coronel Jurandir Acioli, comandante do 20º BC, que mandou chamar o Dr. Rivoredo, mostrou que o bingo tinha autorização do ministro da Justiça e inverteu os papéis: ameaçou descer com uma companhia para garantir a promoção”.

Mesmo com estas dificuldades, foram realizados mais 10 bingos. Os dois últimos foram autorizados em janeiro de 1969 pelo ministro Delfim Neto, após tecer muitas críticas a Lamenha Filho, argumentando que não tinha sentido que o Estado de Alagoas gastasse quase que todos os seus recursos para construir um campo de futebol. Ao final do projeto, foram realizados 36 festivais promocionais com sorteios.

Lauthenay Perdigão na construcão do Trapichão em 1969. Foto de José Ronaldo. Acervo Museu do Esporte

Lauthenay Perdigão na construção do Trapichão em 1969. Foto de José Ronaldo. Acervo Museu dos Esportes

A crítica à construção do estádio também veio da imprensa nacional. A nascente revista Veja, no seu nº 3, de 25 de setembro de 1968, afirmava ironicamente: “Trapichão: há lugar para um quarto da população”. Pelas contas da revista, Maceió teria 221 mil habitantes e o estádio receberia 55.400 torcedores. Veja também argumentava que o recorde de público em Alagoas era de 8 mil pessoas, que era a capacidade máxima do campo do CRB. O Mutange, campo do CSA, teve a sua capacidade de público estimada em 6 mil pessoas. A reportagem revelava ainda que os dirigentes do CSA e CRB tinha uma expectativa de que somente 25 mil pessoas estariam no jogo inaugural.

A obra

O jornalista Lauthenay Perdigão, que fez parte da comissão instituída pela FAPE para o acompanhamento da construção do estádio, lembra das opções que foram analisadas para a escolha do local. “Somente depois de se observar alguns locais no Tabuleiro do Martins e até no Mercado, ali onde hoje funciona o Mercado da Produção, foi que a escolha ficou para o bairro do Trapiche da Barra”.

Construção do Trapichão em 1969. Foto acervo Museu do Esporte

Construção do Trapichão em 1969. Foto acervo Museu dos Esportes

A primeira parte do projeto a ser executada foi a aquisição dos terrenos para o futuro Estádio Estadual de Alagoas. A parte da frente do imóvel foi comprada por 40 mil cruzeiros. Sendo que os herdeiros da família Santa Maria receberam 15 mil e os herdeiros de “seu” Fonte, 25 mil. No terreno existiam duas vacarias pertencentes a estas duas famílias, que foram desapropriadas para fins de utilidade pública pelo Estado no início de 1968.

A parte de trás, segundo Napoleão Barbosa, foi comprada a um cidadão conhecido como Moraisinho, que pediu 120 mil cruzeiros, mas deixou por 40 mil, convencido que outro terreno dele, que ficava bem perto, ia valorizar.

O projeto do estádio foi de autoria do arquiteto João Khair e custou Cr$ 150.000,00, já com parte arquitetônica, hidráulica e elétrica. João Khair faleceu em julho de 1966 e seu sobrinho, Marco Antonio Khair, também arquiteto, foi quem deu continuidade e concluiu a construção.

A pedra fundamental da obra foi lançada no dia 15 de março de 1968 com a presença do vice-governador em exercício, Sampaio Luz, e do calculista da estrutura do estádio, Artur Eugênio Jermane.

Maquete estádio do Flamengo na Gávea. Projeto do arquiteto João Khair em 1962

Maquete estádio do Flamengo na Gávea. Projeto do arquiteto João Khair em 1962 e que nunca foi executado

Durante a execução do projeto, as dificuldades com recursos eram permanentes. Napoleão Barbosa lembrava que em muitas quartas-feiras, quando tinha que fechar a folha para os pagamentos do sábado, só tinha Cr$ 10.000,00 dos Cr$ 150.000,00 necessários. “O jeito era sair para arranjar dinheiro emprestado em meu nome ou com o meu aval até sair a liberação da verba”. Ao final, a contabilidade do Trapichão registrou que o empreendimento custou 15 milhões de cruzeiros.

A construção não foi simples e exigiu muita precisão técnica. As dimensões de algumas partes do estádio eram expressivas. A cobertura, por exemplo, tem 42 metros e na época era uma das maiores do Brasil. O vão livre em balanço era o segundo do Brasil no gênero com 26 metros. Foram usados nas obras cerca de 250 mil sacos de cimento, 30 mil metros cúbicos de concreto, 3.500 toneladas de aço e milhares de metros de tábuas.

A primeira grande alteração no projeto aconteceu ainda em 1968, com a inclusão da arquibancada reta, que fechava a ferradura e receberia os vestiários no subsolo. Com essa ampliação, se tinha a expectativa que a capacidade do estádio iria para 50 mil espectadores.

Engenheiro Vinicius Maia Nobre

Engenheiro Vinicius Maia Nobre

Com a exceção da supervisão do engenheiro Marcos Khair, a equipe técnica que garantiu a construção do Trapichão era totalmente alagoana. Sob o comando do engenheiro Vinicius Maia Nobre, tinha um grupo formado pelos engenheiros Marcelo Barros (eletricista), Márcio Calado (sanitarista) e mais os engenheiros civis Nayron Barbosa, Marcos Mesquita, Roberto de Paiva Torres e Marcos Cotrim. Carlos Barbosa cuidava da administração da obra. Vinicius Maia Nobre recorda que o empenho da equipe era tão grande, que até algumas casas utilizadas nos sorteios foram construídas por eles.

O superintendente da Fundação Alagoana de Promoção Esportiva (FAPE), Napoleão Barbosa, e o chefe de gabinete da Secretaria de Educação e Desporto, Padre José Damasceno Lima, atuavam para garantir a continuidade do projeto e os aportes de recursos.

Inauguração

Na verdade, o primeiro grande acontecimento ocorrido no Trapichão não foi o jogo de futebol do dia 25 de outubro de 1970. Dias antes, no 16 de setembro, data da Emancipação Política de Alagoas, o estádio foi utilizado para os desfiles escolares comemorativos da data. A ideia foi do secretário Estadual de Educação, José de Melo Gomes. Vinicius Maia Nobre não concordou diante dos riscos para o público, que lotaria um estádio em fase de acabamento. O governador Lamenha Filho insistiu e o desfile foi realizado sem grandes problemas, a não ser o dano a um portão de ferro que foi derrubado pela multidão.

Pelé descerrando a placa na inauguração do Trapichão

Pelé descerrando a placa na inauguração do Trapichão

De certa forma, esse desfile escolar serviu de teste para o jogo inaugural do estádio, que aconteceu no dia 25 de outubro de 1970, um domingo ensolarado. Segundo o testemunho de Nelson Costa, os portões foram abertos no começo do dia. “Eu juntamente com meu irmão mais velho e minhas irmãs chegamos lá às 7 horas da manhã para garantir lugar. Levamos bastante lanches para passar o dia todo esperando a hora do tão esperado jogo da seleção alagoana conta o Santos”.

O time do Santos de Pelé era considerado, na época, um dos melhores times do mundo. A badalação sobre a equipe paulista era tão grande que no dia anterior à inauguração, as autoridades alagoanas ofereceram um jantar aos jogadores do time paulista no Clube Fênix Alagoana.

Segundo dados divulgados após a partida, o público foi de 45.865, entretanto, Vinicius Maia Nobre afirma que foi de 53.000. A polêmica sobre a capacidade do Trapichão ocupou a imprensa local por muitos anos. Em 26 de maio de 1976, o então governador Divaldo Suruagy chegou a baixar portaria criando uma comissão para saber a real capacidade do estádio.

Santos e Seleção Alagoana na inauguração do Estádio Rei Pelé. Foto acervo Museu dos Esportes

Santos e Seleção Alagoana na inauguração do Estádio Rei Pelé. Foto acervo Museu dos Esportes

O autor do primeiro gol do estádio foi o meia Douglas, do Santos, que ganhou o jogo por 5×0. Pelé marcou dois gols e Nenê mais dois. A Seleção de Alagoas jogou com Cocorote; Ciro, Dida, Lourival e Aranha; Rinaldo e Zito; Canavieira, Adeildo, Zezinho e Canhoteiro. O Santos formou com Cejas; Carlos Alberto Torres, Djalma Dias, Marçal (Ramos Delgado) e Rildo; Clodoaldo (Lima) e Nenê; Davi, Douglas, Pelé (Luz Carlos Feijão) e Abel. O juiz da partida foi Armando Marques.

Duas semanas depois, no dia 8 de novembro, os festejos continuaram com o Trapichão recebendo novamente a seleção alagoana para uma partida amistosa contra a equipe do Porto, de Portugal. O resultado foi um empate em 1 a 1, com Brás marcando para os alagoanos e Abel para os portugueses. A Seleção de Alagoas teve Cocorote; Ciro, Dida, Lourival e Ednelson; Aranha e Tadeu; Zezinho, Jailson, Brás e Canhoteiro. O Porto jogou com Armando; Gualter, Manhica, Vieira e Rolando; Pavão e Benê; Lemos, Abel, Pinto e Nóbrega.

Outro serviço que o Trapichão trouxe para os alagoanos foi o da churrascaria instalada embaixo da grande arquibancada, que durante muitos anos foi uma referência na vida social da cidade. No andar inferior também foram instalados alojamentos para atletas. Essa estrutura depois foi utilizada como um hotel.

O nome do estádio

Segundo Lauthenay Perdigão — o maior conhecedor da história do nosso futebol —, a definição do nome do estádio como Rei Pelé foi uma escolha do governador Lamenha Filho, que seria o homenageado, como comprovam os ingressos que foram cancelados para o jogo de abertura e a foto da maquete do estádio.

Maquete original do Trapichão, com o nome de Estádio Lamenha Filho

Maquete original do Trapichão, com o nome de Estádio Lamenha Filho

A mudança ocorreu em julho de 1970, quando vários torcedores de Maceió comemoravam a conquista do tricampeonato mundial na Praça dos Martírios, em frente ao Palácio do Governo. O governador Lamenha Filho também entusiasmado com a vitória e com as comemorações populares, resolveu retirar o seu nome e colocar o do jogador que mais tinha se destacado na copa do mundo daquele ano.

Esta homenagem a Pelé provocou muita discussão e a polêmica se arrastou por alguns anos até que a vontade popular resolveu a questão. Nem Pelé e nem autoridade nenhuma: o estádio passou a ser o Trapichão. Vinicius Maia Nobre recorda que antes mesmo do estádio ser inaugurado já se referiam a ele como Trapichão. “Após um jogo recreio entre uma equipe formada por jornalistas que faziam a crônica esportiva e a de construção, num campo improvisado, onde hoje se ergue o Ginásio Presidente Fernando Collor, conjeturando o nome pelo qual se deveria chamar o estádio, um deles exclamou, ‘Trapichão!’. Era uma alusão ao nome do bairro, no aumentativo, muito em moda, como o Batistão (Lourival Batista, em Aracajú), Mineirão e outros. Estava realizado o batismo: a partir de então, o nome se espalhou e pegou”.

As reformas

Em abril de 1979, quando o governador era Guilherme Palmeira, o Jornal de Alagoas denunciou o estado de abandono do estádio, que apresentava rachaduras ameaçando a integridade dos torcedores. Em reportagem do dia 31 de maio do mesmo ano, o jornal voltava à carga, cobrando uma ação do governo para resolver os problemas do Trapichão que não recebia manutenção desde a sua inauguração em 1970.

Construção do Trapichão em 1969. Foto acervo Museu do Esporte

Construção do Trapichão em 1969. Foto acervo Museu do Esporte

Somente em 1992 é que houve uma reforma expressiva no Trapichão, quando o governador Geraldo Bulhões contratou a firma Queiroz Galvão. Foram quase dois anos de obras e a principal mudança foi a colocação de vinte mil cadeiras. Mais duas torres de iluminação foram acrescentadas, ampliando a iluminação para mil lux, uma das melhores do Brasil naquela época. Foi nessa reforma que abriram espaço para o Museu de Esportes e para um auditório. Novas cabines de rádio e televisão foram instaladas nas grandes arquibancadas do estádio.

Vinicius Maia Nobre, um dos engenheiros construtores do estádio, estranhou que ninguém da equipe inicial foi chamado a opinar sobre a reforma. “A execução da obra foi contratada com a firma Queiroz Galvão, que, segundo informações colhidas com alguns engenheiros da firma, na véspera da chamada reinauguração, havia faturado mais de dez milhões de dólares”.

Fachada original do Trapichão ainda com o mural de Hércules Mendes

Fachada original do Trapichão ainda com o mural de Hércules Mendes

A reabertura do Trapichão aconteceu no dia 8 de agosto de 1993, com um jogo amistoso entre a seleção brasileira e a seleção mexicana de futebol. O empate em 1 a 1 não foi a principal notícia da reinauguração do estádio, mas sim a sua capacidade de público, que foi reduzida para 26.000 lugares sentados. Os assentos eram fixados sobre a antiga arquibancada. Anos depois, as cadeiras foram retiradas. Estavam enferrujadas e tinham uma manutenção muito cara. Sem as cadeiras, o estádio ampliou sua capacidade para 32.000 pessoas.

Em 2010 tem início outro período de reformas que se estendeu até 2012. São recuperadas marquises, serviços de som e iluminação. Após essa reforma, a capacidade do estádio passa a ser de aproximadamente 18.000 pessoas. Quando se ventilou a possibilidade de Alagoas receber jogos da Copa do Mundo de 2014, algumas obras foram realizadas no Trapichão. Assim, em 2013, foram reformados bares, vestiários e banheiros, e construído o espaço denominado “Rainha Marta”.

Fontes:
– Jornal Gazeta de Alagoas (várias edições).
– Revista Veja, nº 3, de 25 de setembro de 1968.
– Jornal de Alagoas de 31 de março de 1979.
– Fascículo: Napoleão Barbosa, um construtor do progresso.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*