Teixeira da Rocha, o caricaturista da República

Casas com Riacho é um dos quadros do alagoano Manuel Teixeira da Rocha
Manoel Teixeira da Rocha nasceu em São Miguel dos Campos em1863

Manoel Teixeira da Rocha nasceu em 1863 no município alagoano de São Miguel dos Campos

Por Etevaldo Amorim

Ele retratou, com traços precisos e inconfundíveis, o período de transição política do Império para a República. Na revista Vida Fluminense, da qual foi um dos fundadores, e ao lado de caricaturistas famosos como Vale[i] e Hilarião Teixeira[ii], tratados como “redatores artísticos”, ele nos legou a imagem fiel dos embates políticos que se travavam no Brasil daquela época e o retrato de muitas personalidades que fizeram a história do Brasil. A pintura, na qual se destacou em grande estilo, também era um talento revelado desde a infância. Era um desenhista nato. “Em Teixeira da Rocha, o desenho era a linha mestra sobre a qual repousava o edifício da sua pintura”.[iii]

Manoel Teixeira da Rocha nasceu em São Miguel dos Campos a 15 de outubro de 1863, filho de Pedro Teixeira da Rocha e de Maria Rosa de Jesus Rocha, ambos professores naquela pequena localidade alagoana. Eram seus avós paternos major Manoel Casimiro da Rocha e Joanna Maria da Conceição Rocha.

Teixeira da Rocha faleceu em 1941, no Rio de Janeiro

Teixeira da Rocha faleceu em 1941, no Rio de Janeiro

Ainda criança, em 1870, órfão de pai, foi com a família para o Rio de Janeiro. Lá, sob a proteção do tio, o futuro Barão de Maceió (Dr. Antônio Teixeira da Rocha, professor da Faculdade de Medicina), ingressou, em 1878, no Lyceu de Artes e Ofícios e, em 1881, na Imperial Academia de Belas Artes, onde teve aulas de Victor Meireles e José Maria de Medeiros. Sobre essa sua época de Academia, disse Escragnolle Dória, na Revista da Semana de 3 de maio de 1941: “Em todos os estabelecimentos de ensino há duas espécies de alunos: os que se matriculam por se matricular, e os que o fazem para estudar. A esta classe pertenceu sempre Teixeira da Rocha”.

Sua primeira exposição ocorreu em 1884 e, já em 1887, concorreu ao prêmio de viagem, ao lado de Oscar Pereira da Silva, Hilarião Teixeira, Pinto Bandeira e Eduardo de Sá. Nesse concurso, os cinco candidatos finalizaram empatados. Só em 1900 foi que Teixeira da Rocha viajou, a suas próprias custas, para Paris, onde estudou com Jean-Paul Laurens e Benjamin Constant.

Em 1888, segundo o Diário de Belém, de 13 de julho de 1888, foi nomeado Auxiliar Interino de Desenho Topográfico e de Marinha da Escola Naval, e, em 1891, foi nomeado professor de Desenho Linear da Companhia de Aprendizes Artífices do Arsenal de Guerra da Capital, conforme o jornal O Brasil, de 16-17 de fevereiro de 1891. Nessa ocasião, dirigiu-se ao Imperador e pediu para suspender o seu auxílio. O bondoso monarca ainda o aconselhou a continuar recebendo por algum tempo, mas, ante a peremptória recusa do beneficiado, atendeu ao seu pedido.

Durante a Exposição Universal de Paris de 1889, contando 26 anos de idade, Teixeira da Rocha recebeu medalha de ouro – a distinção mais elevada recebida por um brasileiro em eventos internacionais até aquela época. No Salão de 1898, recebeu também uma medalha de ouro de terceira classe, por seu esboço “A Lei de 28 de setembro” e um grupo de paisagens.

Hilda Teixeira da Rocha, pianista, filha de Teixeira da Rocha. Foto: revista Careta, ano XV, nº 708, 14 de janeiro de 1922

Hilda Teixeira da Rocha, pianista, filha de Teixeira da Rocha. Foto: revista Careta, ano XV, nº 708, 14 de janeiro de 1922

Em 1891, casa-se com Maria Luiza de Albuquerque Palhares (Filha de Maria de Albuquerque Palhares, falecida em 1912. Fonte: O Apóstolo, 10 de abril de 1891, p. 3), com quem teve os filhos Armando, Renato (casado com Adelina Pette Ciuffo), Laura (casada com Almério Pinto de Albuquerque), Osvaldo (que se tornaria também pintor), Manoel, Odete (casada com Luiz Santos) e Hilda (casada com o Dr. Alberto Francisco Canejo). As duas eram exímias pianistas. A primeira, tornou-se professora de música, e a segunda, formada no Instituto Nacional de Música, era artista muito requisitada nos eventos da sociedade carioca de então.

Durante a Exposição da Escola de Belas Artes de 1899, Teixeira da Rocha concorreu ao prêmio de viagem à Europa, mas não conseguiu por ter excedido da idade máxima permitida pelo Regulamento. Então, o Dr. João do Rego Barros ofereceu-lhe a viagem, conforme registra a revista A Estação, Ano XXVIII, nº 24, Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 1899, p. 14.

Foi assim que, afirmando uma significativa interação entre artistas brasileiros e portugueses, o caricaturista Julião Machado (Luanda, 1863 – Lisboa,1930) escreve esta carta para Rafael Bordalo Pinheiro (Lisboa, 1846 – Lisboa, 1905), recomendando Teixeira da Rocha:

Charge de Teixeira da Rocha ilustrando o episódio da prisão e ferimento do Barão de Ladário, Ministro da Marinha do Império. Vida Fluminense, de 17 de novembro de 1889

Charge de Teixeira da Rocha ilustrando o episódio da prisão e ferimento do Barão de Ladário, Ministro da Marinha do Império. Vida Fluminense, de 17 de novembro de 1889

“Segue neste vapor para Paris (creio que com alguma demora em Lisboa) o Teixeira da Rocha, um artista brasileiro muito consciencioso que vai ser subsidiado pelo Rego Barros. É de supor que este o procure e então melhor do que por mim saberá notícias daqui. Este tenciona demorar-se na Europa dois anos e eu espero bem, (porque sei de quanto são capazes a sua força de vontade e a sua excelente aptidão que esta viagem há de fazer deste um artista notável (…). Não ocuparia a sua atenção com o Teixeira da Rocha que o meu querido amigo aqui conheceu desta vez se este, além ser um valente carácter de homem e de amigo, não fosse um verdadeiro artista, já muito conceituado por cá. Além de tudo isto, creio que não lhe será desagradável a si, ter o ensejo de, com a sua tão generosa afabilidade, e com os seus preciosíssimos conselhos, animar um artista brasileiro que vai a Europa pela primeira vez e que – naturalmente – lutará com o tédio e talvez com o desalento. ”[iv]

Conquistou a Medalha de Ouro na Exposição da Academia, com seu quadro A Horta. Esse quadro, lamentavelmente, desapareceu. Confiando-o ao uma comissão de artistas franceses que visitava o Brasil, e autorizando que eles o expusessem em Paris, nunca mais soube notícias dele. Nem mesmo quando foi, pessoalmente procurá-lo na Cidade Luz.

Capa da revista Fida Fluminense com o Dr. Cesário Alvim, Ministro do Interior, o bisavô (mineiro) de Chico Buarque de Holanda por parte de sua mãe (Maria Amélia Cesário Alvim Buarque de Holanda)

Capa da revista Vida Fluminense com o Dr. Cesário Alvim, Ministro do Interior, o bisavô (mineiro) de Chico Buarque de Holanda por parte de sua mãe (Maria Amélia Cesário Alvim Buarque de Holanda)

Além da sua participação na revista Vida Fluminense, atuou também no Monóculo e na publicação especializada, fundada e dirigida por Alvarenga Fonseca, a Revista Theatral, quem tinha também como ilustradores: Bento Barbosa, Pereira Neto, Ricardo Casanova, Helios Seelinger e Julião Machado. Em 1907, publicou charges e composições satíricas na revista Tan-Tan. Sua assinatura variava entre o “Teixeira da Rocha”, “Txrª da Rocha” ou simplesmente as iniciais “T. R”.

Teixeira da Rocha, conhecido no meio artístico por “Rochão”, numa alusão ao seu porte físico avantajado (1,90 m de altura)[v], tinha, como traço marcante do seu caráter, a independência. “Não se escondia para dizer nem para manifestar sentimentos. O que estava no coração lhe via à boca, em louvor merecido ou condenação rude.”, disse Escragnolle Dória.

Suas obras mais conhecidas são: A Horta, Praia de Santa Luzia, Pescaria, Costura, Aula à Note, Paisagem de Petrópolis, Fundos do Arsenal de Guerra, Abolição da Escravatura e Vista de Copacabana; além de Interior de Paris e Rio Sena.

No dia 18 de abril de 1941, uma sexta-feira, às 10:00 horas da manhã, faleceu no Rio de Janeiro, em sua residência, num prédio assobradado situado na Rua Barão de Itapagipe, nº 417, na Tijuca, sendo sepultado no dia seguinte.

A arte e o magistério perderam um dos seus mais abalizados cultores. E ele era alagoano.

[i] Antônio Alves do Vale de Sousa Pinto, português, nasceu em 1846 e veio para o Brasil em 1859. Era paisagista, retratista, desenhista, caricaturista, litógrafo e irmão do pintor português José Júlio Sousa Pinto. Fonte: Angelo Agostini: crítica de arte, política e cultura no Brasil do Segundo Reinado (em inglês, p. 236) ROSANGELA DE JESUS SILVA.
[ii] Pintor, desenhista e caricaturista, Francisco Hilarião Teixeira da Silva, nasceu em 1860 em Santana de Pirapitinga, MG, e faleceu em Campos, RJ, em 1952. Fonte: Um Século de Pintura, de Laudelino Freire.
[iii] Tapajoz Gomes, “Artistas de Outros Tempos”, revista Ilustração Brasileira, Ano XXI, nº 99, Rio de Janeiro, julho de 1943, p. 38.
[iv] Oitocentos, Intercâmbios culturais entre Brasil e Portugal, de Arthur Valle, Camila Dazzi e Isabel Portella. 2ª edição, CEFET/RJ, 2014.
[v] Don Quixote (publicação de Ângelo Agostini), Ano V, nº 95, 23 de setembro de 1899, p. 3.

Outra capa da Vida Fluminense, de 8 de fevereiro de 1890, com o Senador Francisco Glycério (1846-19160, Ministro dos Transportes e da Agricultura de 1890 A 1891

Outra capa da Vida Fluminense, de 8 de fevereiro de 1890, com o Senador Francisco Glycério (1846-1916), Ministro dos Transportes e da Agricultura de 1890 A 1891

Aqui uma capa da mesma revista, de 2 de janeiro de 1890, homenageando a Imperatriz Tereza Cristina, pouco depois do seu falecimento, no Porto (Portugal), em 18/12/1889

Aqui uma capa da mesma revista, de 2 de janeiro de 1890, homenageando a Imperatriz Tereza Cristina, pouco depois do seu falecimento, no Porto (Portugal), em 18/12/1889

O alagoano Ladislau Netto, retratado por Teixeira da rocha na Vida Fluminense, Ano II, Nº 18, 18 de janeiro de 1890

O alagoano Ladislau Netto, retratado por Teixeira da Rocha na Vida Fluminense, Ano II, Nº 18, 18 de janeiro de 1890

A Lavadeira, quadro de Teixeira da Rocha

A Lavadeira, quadro de Teixeira da Rocha

A Carta, quadro de Teixeira da Rocha

A Carta, quadro de Teixeira da Rocha

A Leitura, quadro de Teixeira da Rocha

A Leitura, quadro de Teixeira da Rocha

Cabeça de Velho, quadro de Teixeira da Rocha. Fonte: revista O Cruzeiro

Cabeça de Velho, quadro de Teixeira da Rocha. Fonte: revista O Cruzeiro

Castelânea, Petrópolis. Quadro de Teixeira da Rocha

Castelânea, Petrópolis. Quadro de Teixeira da Rocha

Chácara, 1897. Quadro de Teixeira da Rocha

Chácara, 1897. Quadro de Teixeira da Rocha

Pescaria, 1900. Quadro de Teixeira da Rocha

Pescaria, 1900. Quadro de Teixeira da Rocha

Casas com riacho. Quadro de Teixeira da Rocha

Casas com riacho. Quadro de Teixeira da Rocha

Natureza Morta, Peras. Quadro de Teixeira da Rocha

Natureza Morta, Peras. Quadro de Teixeira da Rocha

Modelo de Academia. Quadro de Teixeira da Rocha

Modelo de Academia. Quadro de Teixeira da Rocha

Minha família, 1899. Quadro de Teixeira da Rocha

Minha família, 1899. Quadro de Teixeira da Rocha

Paisagem, Paris, 1902. Quadro de Teixeira da Rocha

Paisagem, Paris, 1902. Quadro de Teixeira da Rocha

Retrato de um pintor brasileiro, 1886. Quadro de Teixeira da Rocha

Retrato de um pintor brasileiro, 1886. Quadro de Teixeira da Rocha

Sagrada Missão, 1900. Quadro de Teixeira da Rocha

Sagrada Missão, 1900. Quadro de Teixeira da Rocha

Vista da Quinta da Boa Vista, 1906. Quadro de Teixeira da Rocha

Vista da Quinta da Boa Vista, 1906. Quadro de Teixeira da Rocha

2 Comments on Teixeira da Rocha, o caricaturista da República

  1. Olá. Tenho um desenho de T. Rocha, retratando Benjamin Constant, que gostaria de datar e saber se saiu na imprensa. Pode me ajudar?

  2. Ticianeli // 27 de maio de 2017 em 10:13 //

    Caro Marcos, isso exigiria uma pesquisa mais apurada. Lamento, mas no momento ainda não temos a estrutura necessária para prestar tal serviço.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*