Sadi Cabral, o ator alagoano que criou a radionovela seriada

Sadi Cabral em uma das suas atuações nas novelas da TV Globo

O jovem Sadi Cabral, iniciando no Rádio

Registrado como Sadi Sousa Leite Cabral, este alagoano de Maceió nasceu em 10 de setembro de 1906. Filho do alagoano Manuel Torquato Cabral e da paraibana Élia Gutierrez de Souza Leite Cabral, então moradora do Rio de Janeiro.

Sua mãe também era conhecida como Elita, talvez para diferenciar da sua avó de mesmo nome ou por funcionar como diminuitivo de Élia. Seus avós paternos eram Avelino de Araújo Cabral e Luiza de Godoy Cabral. Os maternos eram José Trigueiros de Souza Pinto e Élia Gutierrez de Souza Pinto.

Foi morar no Rio de Janeiro ainda criança.  Na capital federal estudou no Colégio Pedro II. Não há registros de que tenha concluído algum curso superior.

Teve uma vida toda dedicada as artes em geral, trabalhando no rádio, no teatro, na televisão, no cinema, exercitando ainda suas habilidades como bailarino, compositor e professor.

Suas primeiras experiências como ator aconteceram quando tinha 17 anos, atuando nas companhias de Lucília Pérez e de Leopoldo Fróis. Concluiu o curso de arte dramática na Escola Dramática Municipal do Rio de Janeiro em 1923.

Como profissional iniciou na companhia de Abigail Maia, em agosto de 1924, na peça Secretário de Sua Excelência, que estreou no velho Teatro Trianon, em Campos, Rio de Janeiro. Em dezembro de 1926, atuou na peça O Marchante, no Teatro Lírico no Rio, e em abril do ano seguinte na revista Teia de Aranha, da Companhia Tangará.

Ampliou seus estudos cursando ainda dança e coreografia com Maria Ollenewa e Richard Nemanoff. Em 1927, chegou a atuar como bailarino, em alguns espetáculos do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, e em 1929, fez várias apresentações na companhia Nouvelles Folies.

No início dos anos 30, sem abandonar o teatro, aproxima-se do Rádio onde começou a trabalhar com o pernambucano Ademar Casé, criador na Rádio Philips do Brasil do Programa do Casé, que foi ao ar pela primeira vez no domingo, dia 14 de fevereiro de 1932.

Foi neste programa que, como ator, teve contato com as primeiras novelas radiofônicas e conviveu com os grandes cantores da época, como Braguinha, Dorival Caymmi, Orlando Silva, Carmen Miranda, Almirante, Sílvio Caldas, Noel Rosa, Nássara, Ciro Monteiro e Roquette Pinto.

Anúncio da radionovela Mulher sem Coração, de outubro de 1942

Em 1935, monta o grupo Os Independentes em parceria com Sílvio Mafra. Foi pioneiro entre os atores brasileiros na utilização do método do teatrólogo russo Constantin Stanislavski, com o seu realismo psicológico. Seus conhecimentos deste sistema o levaram, mais tarde, à docência desta disciplina nos cursos de interpretação.

Foi através de um concurso de teatro amador para peças em um ato, promovido pela Associação dos Artistas Brasileiros, que Sadi Cabral, Mafra Filho e Luiza Barreto Leite, integrando o grupo Os Independentes, ganharam destaque na imprensa. Eles venceram o concurso com a peça A verdade de cada um, de Pirandello.

Ainda em 1935 participou do filme Noites Cariocas, de G. Gianetti e dirigido por Enrique Cadícano. Entre os atores estavam Grande Otelo, Oscarito, Walter D’Ávila e Lourdinha Bittencourt. O filme foi lançado setembro de 1935 no Rio de Janeiro

No ano seguinte estava no elenco do filme Bonequinha de Seda, de Oduvaldo Vianna, que tinha como atriz principal Gilda de Abreu, que substituiu Carmen Miranda. A estreia foi no Cine Palácio, Rio de Janeiro, em 26 de outubro de 1936.

Ainda atuou, nos palcos, na peça Iaiá Boneca, de Ernani Fornari. Apresentada em outubro de 1938, era a primeira peça da Companhia de Comédias, que também inaugurou naquele mês seu Teatro Ginástico. Tinha o apoio do Serviço Nacional do Teatro e o sucesso foi tão grande que a temporada se estendeu até janeiro do ano seguinte.

Custódio Mesquita, primeiro parceiro de Sadi Cabral na música

Poucos dias após o encerramento de Iaiá Boneca, o Teatro Ginástico recebia Sadi Cabral novamente, desta feita com Os Direitos são Iguais, uma comédia em três atos de A. J. Gomes. Com ele atuavam Augusto Aníbal e Armando Braga. Ainda em 1938, compôs em parceria com Custódio Mesquita a opereta Bandeirante, que foi apresentada no Teatro São Pedro na capital gaúcha, em outubro.

Esta primeira parceria com Custódio Mesquita rendeu uma grande amizade entre os dois e permitiu que compusessem nos anos seguintes várias canções, algumas delas, como Velho Realejo, O Pião, Bonequinha e Mulher, frequentaram as paradas de sucesso nas vozes de Sílvio Caldas, Carmen Costa, Carlos Galhardo e do grupo Anjos do Inferno.

Em outra parceria, com Davi Raw, fez nascer os choros Sapoti e Cachorro Vagabundo, e o samba Ciúmes, gravado por Rubens Peniche.

No dia 26 de maio de 1939 estreia Carlota Joaquina com direção de R. Magalhães Júnior. A produção era da Companhia Jaime Costa e entre os atores estavam Sadi Cabral, Jaime Costa. Ítala Ferreira e Cazarré. Sadi fazia o papel de cabeleireiro da corte de D. João VI.

No dia 22 de junho estreou a opereta O Pássaro Branco, escrita por ele e Bandeira Duarte, com Gilda Abreu e Vicente Celestino nos principais papéis. A música era de Custódio Mesquita e o espetáculo aconteceu no palco do Teatro Carlos Gomes em curta temporada.

Em novembro de 1939, pela mesma Companhia Brasileira de Comédias, dirigiu a montagem de Guerras de Alecrim e da Manjerona, clássico de Antônio José da Silva. Este espetáculo, em homenagem ao autor morto na inquisição 200 anos antes em Portugal, foi o primeiro do Serviço Nacional de Teatro (SNT), instituição criada por Getúlio Vargas por sugestão de Gustavo Capanema, sob a direção de Abadie Faria Rosa.

Radionovela seriada

Sadi Cabral atuando na peça Estrada do Tabaco em 1948

No artigo “O Rádio-Teatro e sua gente”, publicado na Revista Fon-Fon de 18 de setembro de 1943, o crítico e também ator Sérgio Peixoto revela uma informação que mostra a importância de Sadi Cabral para a dramaturgia brasileira.

Ao expor a tese que o rádio teatro seriado surgiu primeiro no Brasil, apresenta Sadi Cabral como o “realizador dessa iniciativa”. Aponta o ano de 1939 como referência do surgimento deste gênero e diz que eram apresentadas no Programa do Casé, já na Rádio Mayrink, “nos tempos de Zarur, ‘speaker’ do programa”.

Sobre Sadi Cabral, ele diz o seguinte: “Ele chegou, depois de uma agitada carreira na ribalta, disposto a renovar os velhos processos de fazer Rádio Teatro até então. Nada de peças teatrais adaptadas sabe Deus como… Dito e feito, Sadi Cabral chegou e foi-nos dando, logo de entrada, uma excelente adaptação do romance de Victor Hugo — ‘Os Miseráveis’. Como seria praticamente impossível fazer uma rádio peça para 40 minutos do grande romance francês, Sadi deliberou lançá-lo em 4 capítulos. O público acolheu bem a iniciativa. Bateu palmas e o veterano Ademar Casé pediu outra peça”.

Ouça aqui a música Mulher, de Custódio Mesquita e Sadi Cabral na voz de Cauby Peixoto. Ficou famosa como tema de abertura da novela Mulher, em 1997.

Fernando Peixoto revela então que vieram O Conde de Monte Cristo, em oito episódios, As Pupilas do Sr. Reitor, com quatro episódios, e aquele que foi avaliado como o trabalho de maior folego de Sadi Cabral, a adaptação da biografia de Henrique VIII, extraída do livro de Francis Hackett, e ganhou o título, para o rádio, de As Seis Esposas de Henrique VIII, em seis episódios.

Outras peças radiofônicas seriadas por Sadi Cabral foram: Bem Hur, Maria Stuart, O Morro dos Ventos Uivantes, O Corcunda de Notre Dame, Os Fidalgos da Casa Mourisca, Miguel Strogoff e O Guarani. Estas novelas tinham no máximo seis episódios.

No início dos anos 40, Sadi Cabral ainda escreveu para o rádio as séries As Quatro Penas Brancas, Inocência, Os Filhos do Capitão Grant e Perversidade.

Artista de muitas artes

Elenco da Rádio Nacional em maio de 1943. Sadi Cabral é o antepenúltimo, em pé, da esquerda para a direita

Na virada dos anos 30 para os 40, Sadi Cabral atuou em César e Cleópatra e Santa Joana, duas peças de Bernard Shaw. Esteve ainda em A Ré Misteriosa, de Bisson, da Companhia de Itália Fausta.

Em 1941, quando estava na Companhia de Comédias Íntimas, de Raul Roulien, teve tempo também para dirigir a peça Como Quiseres, de Shakespeare, para o Teatro do Estudante do Brasil, e Prometo ser Infiel, de Dario Nicodemi. Outros trabalhos que tiveram a sua participação na direção de cena foram: Trio em Lá Menor, de Raimundo Magalhães Junior, trabalho este dividido com Cacilda Becker, e A Grã-duquesa e o Garçom, de Savoir.

Em meados da década de 1940 participou do Teatro Experimental Negro como ator da peça O Imperador Jones, de Eugene O’Neill, expondo a situação dos negros após a abolição em pleno Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

Quando o Serviço Nacional do Teatro resolveu instalar o Curso Prático de Teatro, em junho de 1949, Sadi Cabral foi convidado para ser um dos seus professores.

Por sua atuação em Eurydice, de Jean Anouilh, recebe em 1956 o Prêmio Saci oferecido pelo jornal O Estado de S. Paulo. Ainda em 1956, lançou o LP Sadi Cabral interpreta poemas de Luiz Peixoto, produzido na gravadora Sinter.

Sadi Cabral em Os Apóstolos de Judas, 1976

Incorporado ao Teatro de Arena, participa dos espetáculos Juno e Pavão, de Sean O’Casey; A Mulher do Outro, de Sidney Howard e Só o Faraó tem Alma, de Silveira Sampaio, com direção de Augusto Boal.

Em 1958, pelo desempenho em A Alma Boa de Set-Suan, de Bertolt Brecht, e por A Cantora Careca, de Eugène Ionesco, recebeu o Prêmio Governador do Estado de São Paulo e a medalha de ouro da Associação Paulista de Críticos Teatrais.

Seu primeiro grande sucesso internacional se deu em 1959, quando o espetáculo Gimba – O Presidente dos Valentes, de Gianfrancesco Guarnieri, foi encenado no Festival Théâtre des Nations, na França. Teve apresentações também em Lisboa e em Roma, no Teatro Quirino. O diretor foi Flávio Rangel.

Nos anos 60, atua em Lisbela e o Prisoneiro, de Osman Lins, com direção de Adolfo Celi e Carlos Kroeber. Depois, no Teatro Oficina, faz Todo Anjo é Terrível, de Ketti Frings, com direção de José Celso Martinez Corrêa. Trabalha ainda na montagem de Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, com direção de Sergio Cardoso, e em Júlio César, de William Shakespeare, com direção de Antunes Filho.

Nos novos tempos do teatro brasileiro, a partir de 1970, trabalhou em Oh! Que belos dias, de Samuel Beckett, com direção de Ivan de Albuquerque; Tango, de Slawomir Mrozek, com direção de Amir Haddad e Lulu, de Frank Wedekind, com direção de Ademar Guerra. Entre outras atuações destacamos sua última peça, O homem do princípio ao fim, em 1981, de Millôr Fernandes.

Ouça aqui a música O Pião de Custódio Mesquita e Sadi Cabral na voz de Orlando Silva.

No cinema, participou em mais de 40 filmes, a exemplo de Pureza; Vinte e quatro horas de sono; O dia é nosso; Terra violenta; Inconfidência Mineira e Escrava Isaura. Na televisão, começou na TV Rio em 1965, na novela Comédia Carioca de Carlos Heitor Cony. Foi tirada do ar pela ditadura Militar. Trabalhou ainda, nas décadas de 1970 e 1980, no elenco de vários folhetins de televisão. Atuou nas TVs Bandeirantes, Excelsior, Tupi, Cultura e Globo.

Ouça aqui a música A dança do pagode, de Mané Baião e Sadi Cabral na voz de Mané Baião.

Foi na Globo, com o personagem Seu Pepê, que conquistou fama e popularidade nacional. Seu Pepê, da novela Minha Doce Namorada, foi tema de marchinha de carnaval em 1972. Seu último trabalho na televisão foi em Maçã do Amor, novela da TV Bandeirantes.

Rubens Corrêa com Sadi Cabral, Ziembinski, Isabel Teresa e Maria Sampaio na peça O Círculo Vicioso

Faleceu, vítima de uma parada cardíaca em 23 de novembro de 1986, quando tinha 80 anos de idade. Morava no Retiro dos Artistas e antes de falecer recebeu a sua última homenagem, em 1986: um troféu oferecido por João Flávio Lemos de Moraes no Programa Flávio Cavalcante.

Em sua homenagem, uma rua no Recreio dos Bandeirantes, no Rio de Janeiro, recebeu o seu nome. Em São Paulo, uma praça no Alto da Lapa e um teatro também prestam tributo ao artista alagoano.

Carreira

No cinema

O Menino Arco-Íris (1983)
Gaijin – Os Caminhos da Liberdade (1980)
Os Sete Gatinhos (1980)
Perdoa-me por Me Traíres (1980)
Chuvas de Verão (1978)
Que Estranha Forma de Amar (1977)
Senhora (1976)
O Quarto da Viúva (1976)
O Leito da Mulher Amada (1975)
As Secretárias… Que Fazem de Tudo (1975)
O Dia em que o Santo Pecou (1975)

Lídia Brondi e Sadi Cabral no filme Perdoa-me por me traíres

As Mulheres Sempre Querem Mais (1974)
Tercer Mundo (1973)
Sagarana, o Duelo (1973)
A Marcha (1972)
Um Pistoleiro Chamado Caviúna (1971)
Se Meu Dólar Falasse (1970)
Balada dos Infiéis (1970)
Cléo e Daniel (1970)
A um Pulo da Morte (1969)
Sentinelas do Espaço (1969)
Enquanto Houver uma Esperança (1968)
O Matador (1968)
Cangaceiros de Lampião (1967)
Paraíba, Vida e Morte de um Bandido (1966)
22-2000 Cidade Aberta (1965)
Seara Vermelha (1964)
Un sueño y nada más (1964)
Lampião, O Rei do Cangaço (1964)
Le tout pour le tout, Le (1963)
Socia de alcoba (1962)
Cinco Vezes Favela (1962)
Bahia de Todos os Santos (1960)
O Diamante (1956)

Novela O Velho, o Menino e o Burro, de 1975

Leonora dos Sete Mares (1955)
Mãos Sangrentas (1955)
Rio 40 Graus (1955)
A Outra Face do Homem (1954)
A Carne (1952)
Sinfonia Amazônica (1951) (voz)
Cascalho (1950)
O Pecado de Nina (1950)
A Escrava Isaura (1949)
Inocência (1949)
Caminhos do Sul (1949)
Terra Violenta (1948)
Inconfidência Mineira (1948)
O Dia é Nosso (1941)
24 Horas de Sonho (1941)
Pureza (1940)
Bonequinha de Seda (1936)
Noites Cariocas (1936)

Na televisão

Maçã do Amor (1983)
O Resto É Silêncio (1981)
Partidas Dobradas (1981)
O Fiel e a Pedra (1981)
Um Homem Muito Especial (1980)
Roda de Fogo (1978)

Sadi Cabral faleceu aos 80 anos

Duas Vidas…. Menelau Pallas (1976)
Os Apóstolos de Judas (1976)
O Velho, o Menino e o Burro (1975)
As Divinas… e Maravilhosas (1973)
Jerônimo, o Herói do Sertão (1972)
O Primeiro Amor (1972)
Minha Doce Namorada (1971)
Mais Forte que o Ódio (1970)
Sangue do Meu Sangue (1969)
Legião dos Esquecidos (1968)
Águias de Fogo (1967)
Os Miseráveis (1967)
Paixão Proibida (1967)
Comédia Carioca (1965)

Fontes: Vários jornais e revistas da época, ABC das Alagoas e o texto Sadi Cabral: dançarino, compositor, ator e diretor, publicado  em http://www.funarte.gov.br/brasilmemoriadasartes/acervo/atores-do-brasil/sadi-cabral-dancarino-compositor-ator-e-diretor/

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*