Praça da Faculdade e o Quartel de Linha

Faculdade de Medicina em 1961

Quartel de Linha e Asilo S. Leopoldina em 1912

A primeira grande construção nos areais que ficavam ao lado da Estrada do Trapiche, área que mais tarde seria conhecida como Prado, foi o Cemitério de N. S. da Piedade, que entrou em funcionamento no ano de 1855.

Em 1871, o Governo Federal construiu, também no local, a sede do Quartel do 33° Batalhão de Caçadores. Após esta obra, o largo formado à sua frente recebeu o nome de Praça do Quartel.

No dia 22 de maio de 1887 foi a vez da inauguração de outro equipamento importante para a praça: o Asilo de Alienados Santa Leopoldina. Este prédio foi demolido entre 1956 e 1958 e em seu local foram construídos três edifícios de apartamentos.

No Início do século, a praça passou a ser conhecida como Calabar e logo após os movimentos armados de 1922, recebeu o nome de Siqueira Campos, um dos heróis do levante de 1922 que ficou conhecido como os 18 de Copacabana, no Rio de Janeiro. A principal avenida do bairro também recebeu o nome de Siqueira Campos.

Em homenagem ao médico Afrânio Augusto de Araújo Jorge, que também foi deputado estadual e secretário de Estado, a praça recebeu na década de 1950 a denominação de Afrânio Jorge.

Tropas revolucionárias de 1930 chegam em Alagoas no dia 13 de outubro, e acampam na Praça da Faculdade, em frente ao Quartel de Linha do 20º BC

Tropas revolucionárias de 1930 chegam em Alagoas no dia 13 de outubro, e acampam na Praça da Faculdade, em frente ao Quartel de Linha do 20º BC

Formado pela Faculdade de Medicina da Bahia, Afrânio Jorge foi deputado estadual na legislatura 1917-18, e tomou posse, em 1º de janeiro de 1947, na Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda e Produção, no governo Silvestre Péricles.

Foi ainda Diretor da Saúde Pública, membro do Conselho de Finanças e sócio do IHGAL. Faleceu em Maceió no dia 29 de junho de 1952.

Nesse mesmo período, o antigo prédio que foi ocupado até 1944 pelo 20º Batalhão de Caçadores, substituto em 1917 do 33º BC, foi doado pelo Ministério do Exército para a nascente Faculdade de Medicina, criada em 5 de março de 1951.

A partir daí, aos poucos, a praça foi deixando de lado a homenagem ao Dr. Afrânio Jorge e ficando mais conhecida como a Praça da Faculdade.

Asilo de Santa Leopoldina

Asilo de Santa Leopoldina

Hoje, na antiga Faculdade de Medicina funciona o Centro de Ciências Biológicas da Ufal, e a praça, que construiu Panteon para ser a última morada dos restos mortais dos alagoanos Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto, não os recebeu e passou muitos como um matagal servindo como ponto de tráfico e consumo de drogas.

Somente em 2016 é que a Praça da Faculdade ganhou uma reforma e hoje, reurbanizada, apresenta condições de ser frequentada como espaço urbano de convivência.

Evento cívico em 1940

Evento cívico em 1940

Quartel de Linha do 20º BC em 1922

Quartel de Linha do 20º BC em 1922

4 Comments on Praça da Faculdade e o Quartel de Linha

  1. João Julio da silva // 24 de outubro de 2015 em 17:55 //

    essaoraça est´abandonado há bastante tempo entra prefeito e sai prefeito e ela permanrce esquecido, , essa praça facz parte da história viva da os moradores do bairro do prado , faz parte da CULTURA DE ALAGOAS, O TERMINSA TEM QUE SER RECONSTRUÍDO PARA VOLTAR OS VELHOS TEMPOS, ESPERO QUE O RUI PALMEIRA OLHE COM MAIS CARINHO ESSA PRAÇA QUE FA Z PARTE DA HISTORIA DO PBAIRRO DO PRADO

  2. João Julio da silva // 24 de outubro de 2015 em 17:56 //

    ESSE PANTEON, DEVERIA SER USADOS PARA AQUARTELAR A GURDA MUNICIPAL PARA TOMAR CONTA DO SEU PÓOPRIO PATRIMôNIO

  3. Foi infeliz idéia, usar o Panteon da Praça Afrânio Jorge, como túmulo dos Marechais Deodoro e Floriano Peixoto? Onde estes encontram-se? A demolição do Asilo de Santa Leopoldina? Foi uma idéia maravilhosa? Seguindo a lógica aqui expressa, foi uma idéia e tanto! Esse negócio de preservar o patrimônio turístico, arquitetônico e histórico é coisa para Inglês ver!

  4. A praça foi reformada sim, porem a própria população, digo alguns vândalos estão destruindo os bancos, parte da área de exercícios e etc. Outra coisa se tem barracas de lanches, churrasquinho onde se vende bebidas e por sua vez os proprietários pagam seu impostos, o porquê de não haver banheiros públicos e nem tão pouco manutenção preventiva e policiamento 24hs, certos tipos de frequentadores de má índole. Não se joga uma reforma de um local público sem que haja condições de preservação e segurança.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*