Porto de Maceió inaugurado por Vargas em 1940

Estudantes alagoanas recepcionam Getúlio Vargas no Palácio dos Martírios em 1940

São raros os registros desta passagem do presidente Getúlio Vargas por Alagoas. Em pleno Estado Novo, Vargas percorria o Norte e o Nordeste, obedecendo uma agenda que começou em Belém no dia 6 de outubro de 1940.

Após três dias no Pará, o presidente chega a Manaus no dia 9, depois vai para Porto Velho onde fica do dia 11 ao dia 14. No dia 15 desembarca em Fortaleza. Visita Recife nos dias 18 e 19, e passa rapidamente por Maceió, na manhã do dia 20, um domingo, para chegar em Salvador às 13 horas.

Getúlio Vargas e Osman Loureiro no Palácio dos Martírios

Getúlio Vargas e Osman Loureiro no Palácio dos Martírios

Em Maceió, Vargas desembarca às 7h55 e, após inaugurar o Porto da capital, decola às 11h15 com destino a Salvador.

O jornal carioca A Noite, de 21 de outubro de 1940, na página 3, noticiou assim a passagem de Getúlio Vargas por Maceió.

Chega a Alagoas entre entusiásticas manifestações populares – A inauguração do Porto de Maceió

Maceió (A.N.) – O avião que conduzia o presidente Getúlio Vargas partiu de Recife precisamente às 7,55, tendo sido a notícia recebida aqui minutos depois. Imediatamente, as ruas da cidade encheram-se de uma grande multidão que desejava prestar ao chefe do Governo todas as homenagens possíveis no breve espaço de tempo reservado para a demora nesta capital.

Estudantes do Liceu homenageiam Vargas nos Martírios em 1940

Delegações operárias, escolares, representações numerosas de todas as classes sociais dirigiram-se ao aeroporto, onde deveria descer o avião que conduzia o chefe do Governo e sua comitiva.

No momento em que o aparelho começou a ser visto no horizonte, vindo do Recife, as ovações populares começaram a se fazer ouvir.

Uma enorme multidão enchia o percurso do aeroporto ao Palácio do Governo, onde o presidente Getúlio Vargas receberia, oficialmente, as primeiras homenagens dos componentes do Governo alagoano e das suas classes conservadoras.

Desembarcando do aparelho, o presidente recebeu grande e prolongada manifestação popular. E enquanto, em companhia do interventor Osman Loureiro, se dirigia para o Palácio do Governo, ia, durante todo o percurso, vendo repetir-se a mesma demonstração popular presenciada no momento do seu desembarque.

Estudantes recebem o presidente Vargas

Estudantes recebem o presidente Vargas

Depois de haver recebido as apresentações de inúmeras pessoas, membros do governo estadual, da sociedade e das classes conservadoras do Estado, o presidente Getúlio Vargas dirigiu-se ao porto recém construído, para inaugurá-lo.

Ao tomar o automóvel, o povo que se comprimia na Praça Floriano, em frente ao palácio da interventoria, rompeu os cordões de isolamento, acercando-se do carro presidencial e fazendo, ao chefe de Estado, a mais carinhosa, espontânea e entusiástica manifestação, que se repetiu sempre até o cais.

A inauguração do porto constituiu um momento de grande satisfação para o povo alagoano, que a externou em ovações ao presidente Getúlio Vargas, que satisfizera essa grande aspiração do povo e necessidade máxima do Estado.

O navio “Inconfidência”, logo após a chegada do presidente Getúlio Vargas, movimentou-se, cheio de convidados, para realizar a primeira atracação.

Em delírio, o povo continuava a vibrar em homenagem ao chefe do governo. Realizada a atracação, o presidente Getúlio Vargas dirigiu-se a um dos armazéns em construção, seguido de sua comitiva e de incalculável massa popular. Aí foi o chefe de governo saudado pelo engenheiro Baja Gabaglia, dirigente da firma empreiteira.

Realizada a inauguração o presidente, sempre acompanhado pelos interventores Osman Loureiro e Eronides de Carvalho, regressou ao palácio do governo, onde lhe foi servido ligeiro lunch.

Logo após, recebendo novas e entusiásticas manifestações, o presidente dirigiu-se ao aeroporto, onde, às 11h15, tomou o avião que o conduziria à capital baiana.

Somente no final de agosto de 1950 é que Getúlio Vargas voltaria a Alagoas. Desta feita na campanha eleitoral que o reconduziria à Presidência da República.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*