Palácio dos Martírios

Palácio do Governo na década de 1910
Sobrado que hospedou a primeira sede do governo de Alagoas

Sobrado que hospedou a primeira sede do governo de Alagoas

O primeiro palácio de governo em Alagoas funcionou em um sobrado que pertencia ao comerciante português Francisco José da Graça. Ficava na esquina da Rua do Comércio com a Rua da Rosa, atual Senador Mendonça.

A partir de 1855, o governo alagoano se instalou no prédio que veio a ser conhecido como Palácio Provincial. Foi alugado ao Barão de Jaraguá e ficava na Rua Barão de Anadia, na subida para a Rua do Comércio.

Prédio do Barão de Jaraguá onde funcionou o governo entre 1855 e 1902

Prédio do Barão de Jaraguá onde funcionou o governo entre 1855 e 1902

A sede do governo funcionou neste local até 1902, quando foi inaugurado o Palácio do Governo no Largo dos Martírios. Este prédio, antes de ser demolido em 1940, recebeu o Instituto Comercial e o Colégio Dias Cabral.

Palácio Floriano Peixoto

O Palácio do Governo alagoano teve sua pedra fundamental lançada no dia 14 de setembro de 1893, durante o governo de Gabino Suzano de Araújo Besouro e a construção foi autorizada pela Lei n° 30, de 26 de maio de 1893, obedecendo a projeto arquitetônico e execução do engenheiro militar alagoano Carlos Jorge Calheiros de Lima.

Inauguração do Palácio do Governo em 16 de setembro de 1902

Inauguração do Palácio do Governo em 16 de setembro de 1902

Menos de um ano depois, com a deposição do governador Gabino Besouro, no dia 16 de julho de 1894, o ritmo da obra é reduzido. Com o novo governador Manoel Gomes Ribeiro Júnior, o Barão de Traipú, a construção é retomada.

Os novos engenheiros que assumiram a obra neste período – Adolpho Lins, Firmino Theotônio Morada, Francisco Severiano Braga Torres e Luiz Manoel Gonçalves – fizeram modificações no projeto original, a ponto de descaracterizá-lo completamente.

Em 1906, visita do presidente da República Affonso Penna. Foto de Luiz Lavenère

Em 1906, visita do presidente da República Affonso Penna. Foto de Luiz Lavenère

As obras ficaram novamente interrompidas com a saída do Barão de Traipu do governo, em 12 de junho de 1897, só retornando no governo de Euclides Vieira Malta, desta feita sob a responsabilidade do arquiteto Luiz Lucariny, autorizado pelo governador no dia 12 de junho de 1900.

O arquiteto italiano Luiz Lucariny, que por esta época residia em Maceió, também foi responsável pela construção do Teatro Deodoro, em Maceió, e do Teatro Sete de Setembro, em Penedo.

A inauguração do Palácio do Governo só aconteceu no dia 16 de setembro de 1902. A atual denominação, de Palácio Floriano Peixoto, só aconteceu em 1947, definida pela Decreto Estadual n° 417, de 17 de outubro, já no governo de Silvestre Péricles de Góes Monteiro.

Palácio do Governo em 1908

Palácio do Governo em 1908

Com a inauguração da nova e moderna sede do governo, o prédio tornou-se Museu Histórico de Alagoas – Palácio Marechal Floriano Peixoto, decisão formalizada pelo Decreto de 27 de março de 2006, assinado pelo governador Ronaldo Lessa.

Mesmo sendo oficialmente denominado Palácio Floriano Peixoto, em 1947, sempre foi reconhecido pelos alagoanos como Palácio dos Martírios, da mesma forma que a praça, que oficialmente é Praça Floriano Peixoto, mas todos se referem a ela como Praça dos Martírios.

Palácio dos Martírios em 1908

Palácio dos Martírios em 1908

Palácio do Governo em 1908

Palácio do Governo em 1908

Palácio do Governo em 1911

Palácio do Governo em 1911

Palácio do Governo em 1920

Palácio do Governo em 1920

Palácio dos Martírios em 1955

Palácio dos Martírios em 1955

Palácio dos Martírios nos anos 60

Palácio dos Martírios nos anos 60

Praça dos Martírios na década de 80

Praça dos Martírios na década de 80

1 Comentário on Palácio dos Martírios

  1. jorgeleoncio // 15 de julho de 2016 em 20:21 //

    sou ex cabo do BPTran-Jorge Leôncio RG 5121/85-desejo receber notícias dos meus companheiros principalmente do tenente pedro porfírio e do tenente sobrinho (carioca )lotado no palácio do governo á época em 1986

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*