Os ingleses e o Jaraguá Tênis Clube

Antiga fachada do Jaraguá Tênis Clube
Edward Guy Paton, fundador do Jaraguá Tênis Clube

Edward Guy Paton, fundador do Jaraguá Tênis Clube

Com o banco fechado naquele final de tarde em Jaraguá, o gerente Edward Guy Paton da nova agência em Maceió do The London & River Plate Bank Limited reuniu os colegas e mais alguns amigos e propôs a fundação de um clube de tênis.

Os presentes à reunião do dia 6 de março de 1922, realizada no segundo pavimento do prédio nº 608 da Rua Sá e Albuquerque, concordaram com a ideia e o Jaraguá Lawn Tennis Club foi formalmente instalado naquela mesma tarde.

G. Paton, que tinha sido transferido da agência do banco inglês em Recife, onde era o subgerente, já vinha trabalhando esse projeto há algum tempo e não teve dificuldade em reunir os colegas de banco Claudio Broad, Edgar Monteiro, Sydney Fellowows e Walter Cox, além de alguns amigos mais próximos, como Arthur Goulart, Einar H. Joharsen, Kenneth Coutage Macray, Philip Nicholls e Robert W.B. Paterson.

Equipe de Futebol de Salão do Jaraguá Tênis Clube em 1955: em pé Zequito Porto (técnico). Murilo. Tadeu e Santa Rita. Agachados João Beltrão, Lailton e Cedrim

Equipe de Futebol de Salão do Jaraguá Tênis Clube em 1955. Em pé: Zequito Porto (técnico), Murilo Mendes, Tadeu e Santa Rita. Agachados: João Beltrão, Lailton e Cedrim. Acervo Museu do Esporte

Ainda na reunião de fundação, Paton anunciou que já estava em negociação para a compra de um terreno na Estrada Nova, atual Av. Comendador Leão, onde funcionaria a sede do clube. Informou também que os recursos estavam sendo levantados com doações de algumas firmas locais.

Como o clube ao ser fundado já tinha praticamente uma sede graças ao trabalho do seu idealizador, foi natural a sua aclamação como o seu primeiro presidente.

No início da década de 1940, o clube aportuguesou o nome para Jaraguá Tênis Clube e passou a realizar mais atividades sociais e esportivas além do tênis. Os bailes de carnavais do clube fizeram e ainda fazem história nas festas populares alagoanas.

Carlito Lima, nascido e criado em Jaraguá, recorda dos grandes bailes de sábado de Zé Pereira no Jaraguá Tênis Clube, abrindo o carnaval de clubes de Maceió.

Miss Alagoas de 1961, Carmen Tereza Mascarenhas Leite, representante do Jaraguá Tênis Clube no concurso Miss Brasil

Miss Alagoas de 1961, Carmen Tereza Mascarenhas Leite, representante do Jaraguá Tênis Clube no concurso Miss Brasil. Foto da revista O Cruzeiro

“O carnaval iniciava à noite do sábado de Zé Pereira, primeiro eu brincava no corso em jipe, vestido de macacão e maizena na mão, meladeira herdada dos entrudos – primeiros carnavais no Brasil. Em toda esquina da Rua do Comércio uma orquestra de frevo animava o povão, dançando, cantando, amores surgindo, amores fugindo, é carnaval, tudo valia, amor de carnaval desaparece na fumaça. Quase meia-noite ao chegar em casa tomava um banho reativante rumo ao baile do Zé Pereira no Tênis Clube. A orquestra tocava marchinhas românticas, sambas e frevos até o dia amanhecer”.

As atividades esportivas no Jaraguá Tênis Clube também permanecem na memória do “Duque de Jaraguá”.

“Se jogava também um bom basquete, voleibol, entretanto, predominava o tênis, o mais charmoso dos esportes. Dei minhas raquetadas nas quadras do clube. Assisti gente boa jogar, Zé Elias, Daniel Berard, Maria Esther de saiote branco”, lembra Carlito.

Futebol de Salão do Jaraguá Tênis Clube em 1956. Em pé Zequito Porto (técnico). Gilson. Santa Rita. Francisco. Bira. Louvai Ayres e Daniel Benard (diretor). Agachados Deda. Napoleão. Toro. Acervo Museu do Esporte

Futebol de Salão do Jaraguá Tênis Clube em 1956. Em pé: Zequito Porto (técnico), Gilson, Santa Rita, Francisco, Bira, Louvai Ayres e Daniel Benard (diretor). Agachados: Deda, Napoleão, Toroca, Zito Sarmento e João Moura. Acervo Museu do Esporte

Eurico Uchoa é outro morador da Avenida da Paz que tem recordações dos carnavais no Jaraguá Tênis Clube.

“Minha avó, mãe de meu pai, morreu numa quarta-feira e no sábado era o dia da Festa Macabra no Clube Tênis. Pedi para Tia Bel fazer uma fantasia de “Alma Penada” dizendo que seria usada pelo Ricardo Peixoto. No sábado, disse para família que iria dormir fora de casa, mas fui mesmo para festa.

Na volta, traído pelo álcool, esqueci do que tinha inventado e ao voltar em casa, meu pai se deparou com a cena. Seu Ribemont, meu pai, ficou irado com o desrespeito pelo luto. Tentei explicar que de qualquer forma, era uma FESTA MACABRA, com caixões e velas por todos os lados, mas não escapei de 30 dias de castigo sem sair de casa”.

O clube é dirigido atualmente por Leonardo Pinto Junior e ainda tem na diretoria a participação de Edu Soares da Luz, Francisco Luiz Suruagy Mota, Paulo de Castro C. da Silva e Luiz Fernando Santana Dória.

Fonte:
– Efemérides Alagoanas, de Moacir Medeiros de Santana.
– Jornais da década de 1920.
– Fotos e informações do Museu do Esporte de Alagoas, de Lauthenay Perdigão.
– site http://www.fernandomachado.blog.br
– site http://meninosdaavenida.blogspot.com.br

2 Comments on Os ingleses e o Jaraguá Tênis Clube

  1. Delma Conceição de Lima // 4 de outubro de 2015 em 19:59 //

    Adoro histórias de Alagoas!

  2. José Aldo Buarque de Mendonça // 7 de dezembro de 2016 em 20:46 //

    Faltou publicar a foto com o casarão, sede do clube, tipo chalé que ficava dentro do terreno, frente para a Av. Comendador Leão, antiga Estrada Nova. Esta casa permaneceu até o início da década de 60. PAZ e BEM.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*