O dono do cabaré é Mossoró

Entrevista com Benedito Alves dos Santos, o Mossoró, publicada no jornal Última Palavra de 12 de fevereiro de 1988

Mossoró: "depois que essa tal de Aids cresceu, meu negócio caiu"
"Na minha boca não entra nada inferior, bote tudo superior"

“Na minha boca não entra nada inferior, bote tudo superior”

Última Palavra, um pequeno grande jornal, foi mais um dos impressos que teve sucesso em Alagoas graças ao talento de Noaldo Dantas. Experiência única em nosso estado, o jornal tinha o formato de revista e circulou de dezembro de 1987 até outubro de 1989.

Esta entrevista com Mossoró foi a matéria principal da edição de 12 de fevereiro de 1988. Mossoró morreu em meados dos anos 9o e seu filho Roberto ainda tentou manter a histórica boate Areia Branca em funcionamento, sem muito êxito.

O dono do cabaré

É Mossoró, folclórico e popular figura, que aos 71 anos não quer se aposentar

Um misto de realidade e fantasia, uma mistura de história e folclore, um pouco de brega e chique estão contidos na vida de Benedito Alves dos Santos, 71 anos, cidadão influente, prestigiado, pagador pontual de impostos e irrepreensível cumpridor de compromissos financeiros, conhecido aquém e além-fronteiras alagoanas pela alcunha de Mossoró.

Hoje Mossoró é mais que um apelido, é um inspirador de anedotas, uma das figuras mais populares da cidade e um bem-sucedido empresário da noite maceioense. Foi um dos poucos que passou incólume pela exploração do lenocínio na forma mais ortodoxa, sem pagar resgate e sem temer a expansão dos motéis, instituição mais garantida e antisséptica, que ganhou a adesão de “gregos e troianos”.

— “Hoje são os doutores que possuem local para as aventuras sexuais, antes era o Mossoró. Hoje são os motéis, com sua capa de moralidade, antes era o puteiro do Mossoró servindo a todos sem discriminação”, compara o velho Benedito, com sua experiência de trinta e dois anos no ramo. “Mas não tenho como deixar de reconhecer que os motéis afetaram muito o meu negócio”, arremata.

A escalada da AIDS não parece preocupá-lo tanto. Mesmo tendo confessado recentemente a Gesival Fonseca — ao encontrá-lo em Juazeiro do Norte, Ceará, para quitar sua promessa anual com o Padre Cícero Romão Batista —, que “depois que essa tal de Aids cresceu, meu negócio caiu”, Mossoró parece infenso à propagação da doença. A propaganda não consegue influenciá-lo e os casos concretos ainda passam ao largo dos seus negócios.

Histórias do Mossoró 1Antes de se falar em “marketing”, Mossoró já o praticava ao seu estilo e com eficiência: dirigindo solenemente um “Dodge Dart” de capota arriada, com uma de suas mais recentes contratações ao lado, de vestido de organdi, esvoaçante, ele fazia a promoção da “novidade” junto à clientela potencial, rodando devagar pela cidade nos fins-de-semana.

E até mesmo sua primeira e última incursão na mídia eletrônica, deu muito o que falar. O comercial que conseguiu veicular na TV Rádio Clube canal 6, — cujo sinal chegava a Maceió através de repetidora, no tempo em que não existia emissora de TV instalada em Alagoas —era curto e grosso:

“Churrascaria e Boate Areia Branca — a continuação do seu lar“.

Atraídos pela propaganda, alguns casais incautos, de passagem pela cidade, foram até o bordel… e voltaram correndo. Com uma indisfarçável ponta e orgulho, ele relembra:

— Na minha casa já passou muita gente famosa: Vera Fischer, essa tal de Jocasta, Perry Sales, Miltinho, Jair Soares, Martinho da Vila, Zé Keti, Cacá Diégues e o homem do dicionário, o ‘seu” Aurélio (Buarque de Holanda).

Conciliador por excelência, Mossoró orgulha-se de nunca ter sido registrado um assassinato, nem troca de tiros, no interior dos prostíbulos que possui. Quando as brigas começam ou alguém saca arma, ele se interpõe e com fala mansa contorna a situação. Por conta isso ganhou o carinhoso apelido de “Pai Véio“.

Histórias do Mossoró 2— Levo tudo em banho-maria, o cara quer alterar e eu lhe digo, amigo não faça isso, vamos tirar por menos. Agora, e eu fosse um machão já teria corrido… ou morrido.

O segredo é tratar bem o cliente. E isso Mossoró se esmera. Quando avista algum conhecido chegar ao seu estabelecimento, ele se apressa em ir cumprimentá-lo à entrada, oferece-lhe o melhor e sua atenção e bom-trato. O médico Ednor Bittencourt assevera que nas oportunidades em que ali esteve na companhia de amigos, “sempre foram regiamente recebidos, pois Mossoró fazia de tudo para nos servir, especialmente bebidas geladas e mulheres quentes”.

Para contar com a garantia da polícia em seus negócios, ninguém conseguiu até hoje provar que Mossoró usou de dinheiro para subornar policiais. Usa com habilidade outras técnicas para garantir total cobertura; uma dose de uísque, uma cerveja ou a dispensa da taxa do quarto.

Gaba-se de nunca ter comprado uísque falsificado ou qualquer tipo de muamba, pois faz questão de não transgredir a lei dos homens:

— Na minha casa só entra bebida selada. Na minha idade não suportaria jamais ser chamado atenção por qualquer autoridade.

Para abastecer seu negócio, Mossoró não se preocupa com a etapa de recrutamento. Mas faz questão de comandar pessoalmente o processo de seleção:

— Com trinta anos de trabalho, nunca contratei nenhuma mulher. Elas chegam aqui de enxurrada. Cinco ou seis a cada dia. Eu escolho pela cara, se não me agradar não fica.

Antigamente, elas vinham mais de Pernambuco, hoje a preponderância é do Ceará, onde a necessidade de emigrar parece ser atávica. Também vem muita gente da Bahia. Do interior de Alagoas é que a incidência é pequena, porque a maioria continua em êxodo para o centro-sul.

Histórias do Mossoró 3Bom aspecto e comportamento impecável são condições “sine qua” para se alistar nas fileiras do Mossoró. Em troca ele oferece casa, água, luz e “boas conversas” sem cobrar nada. E ainda assistência médica em casos mais complicados. Antigamente o médico que assistia as “meninas” era Dirceu Falcão, em sua casa de saúde no centro da cidade. Depois o Canaã foi beneficiado com um posto de saúde que funciona o dia todo e já pela madrugada, quando o expediente na boate é encerrado, elas se dirigem ao local para apanhar uma ficha de atendimento.

Prestígio e reconhecimento não lhe faltam, são atributos inerentes ao próprio negócio e ao pequeno universo que comanda. Quando completou 70 anos, foi homenageado em sua residência pelos governadores José Tavares e Luis Gonzaga da Mota (o “Totó”, do Ceará), ex-governadores Divaldo Suruagy e Guilherme Palmeira e o então Secretário da Fazenda, Aloísio Barroso.

É citado nos livros “Sua Excelência o Governador“, escrito por Suruagy, e “Picadas e Ferroadas“, de Ednor Bittencourt. E lembrado em diversas letras de música, como “As Meninas do Mossoró“, gravada por Martinho da Vila.

Histórias do Mossoró 4Desde o tempo em que era um requisitado pintor de paredes (leia-se boxe), tornou-se figura conhecida dos governadores em exercício. Assim aconteceu com José Maria Correia das Neves, o interventor Osman Loureiro, Silvestre Péricles (“uma jóia de Governador”) e Arnon de Mello (“contratado por ele pintei quase todos os grupos escolares do Estado”).

Batizado na religião católica, todo ano paga as suas promessas ao Padre Cícero, em Juazeiro, no Ceará, sempre levando muito dinheiro para distribuir para os pobres. Eclético em matéria religiosa, conserva duas bíblias em casa, crê muito no espiritismo e recomenda aos descrentes que “de uma macumba bem-feita se deve ter todo cuidado”.

Convivendo e tratando na vida mundana com alguns pecados capitais, segundo a hierarquia da Igreja, não acredita que essa prática tenha lhe vedado, por antecedência, o caminho dos céus:

— Aí é que muita gente se engana. Vinha alma não está perdida por conta disso. Faço constantemente minhas orações, efetuo inúmeros favores e recebo muitas graças.

Enfático e momentaneamente esquecido da idade avançada, Mossoró reafirma a disposição de vender seu empreendimento, mas não alimenta muitas esperanças:

— Ninguém compra um puteiro, não tem quem queira lutar com isso. Quem tem dinheiro sobrando bota na poupança ou vai viver da renda de imóveis. Deus me livre de nunca mais ter um negócio desse.

Histórias do Mossoró 5Quando alguém lhe acena com a hipótese de ganhar sozinho na Loteria Esportiva, Mossoró não titubeia, já tem planos definidos: ofertaria “Areia Branca” de presente a um amigo, colocaria uma parte na poupança e com o restante iria desbravar o mundo, pois nunca foi além do Rio de Janeiro em suas andanças.

A aposentadoria não faz parte dos seus planos, por enquanto. Está esperando que a nova Constituição consagre a legalização do jogo no país, “pois cassino e cabaré sempre está ligado a um joguinho”. Até já foi sondado para alugar parte do empreendimento com finalidades, mas prefere fazer tudo sozinho. Esse tem sido um dos lemas de sua atividade, da qual só abre mão quando os acólitos são de inteira confiança. Não é sem razão que seu fiel escudeiro, Zé Levino, um “velho bom e sério”, permanece até hoje, com mais de 70 anos, tomando conta do bar, que constitui uma das principais fontes de renda da boate.

Mesmo continuando à frente do negócio (“A gente tem que estar sempre olhando, cochilou o cachimbo cai, tá aí o exemplo do João Lyra, sempre firme no comando de suas empresas”) Mossoró não mais precisa dele. É um homem realizado financeiramente, tem duas boas casas de residência na Pajuçara, uma dezena de imóveis, “Opala” do ano, muito dinheiro na poupança e uma polpuda conta bancária no Baú, onde dispõe de crédito sempre aberto. Na sua casa tudo é do bom e do melhor, preponderando o gosto duvidoso e a preferência por objetos de dimensão volumosa. Assim como o rádio que carrega junto quando vai ao futebol.

"O segredo é tratar bem do cliente"

“O segredo é tratar bem do cliente”

Incluído definitivamente na galeria dos tipos populares de Alagoas, Mossoró tem muita história para contar mas prefere silenciar, possui muitos bens, mas minimiza, tem muitas mulheres mas só fala de Francisca, cearense que vive com ele há quatro anos. Em tomo de umas figuras criou-se um anedotário implacável, referenciado até mesmo em obras literárias, que ele classifica como “invenção do povo“. No alto dos seus 71 anos, empertigado em uma cadeira de balanço, na varanda de sua residência à rua Durval Guimarães, exibindo uma gargalhada franca, ele parece incólume com o passar do tempo e consciente de que, embora a cultura lhe tenha faltado, sobrou bastante sabedoria e a habilidade para progredir com os negócios, escusos mas bastante procurados.

De cortador de cana a rei da noite

O começo foi muito difícil. Benedito Alves dos Santos, ainda de menor, foi cortador de cana na Usina Utinga Leão, onde nasceu a 1/7/16. Com 14 anos chegou em Maceió e começou a vender geladinha em frascos e confeito, na Levada. Trabalhou como servente de pedreiro e serviçal do Cine Ideal. Em 1934 definiu uma profissão regular, como ajudante de pintor. Na arte da pintura ele atuou ao longo de 34 anos, pintando as casas dos doutores e se tornando famoso mestre-pintor, requisitado pelas famílias grã-finas da época.

A grande oportunidade surgiu na véspera do Natal de 1955. Influenciado por um amigo alugou por três contos de réis um prédio em Jaraguá, onde instalou a boate “Tabariz“, cabaré com o mesmo nome de um já famoso que existia em Salvador. O baixo meretrício tinha em Jaraguá seu quartel-general e as meninas do Mossoró — apelido que ganhou por receber várias mulheres vindas daquela cidade norte-riograndense — muito requisitadas, especialmente pelos “gringos” que desciam dos navios aportados no cais de Jaraguá e pagavam seus programas em moeda estrangeira.

Em 1967 o coronel Adauto Gomes Barbosa, comandante da Polícia Militar, decidiu acabar com a “zona” em Jaraguá, transferindo todos os estabelecimentos para uma área especialmente reservada no desabitado bairro do Canaã. No dia 29 de abril Mossoró inaugurava, com grande festa, a Churrascaria e Boate “Areia Branca”, que resistiu até hoje às intempéries financeiras e às novas modas que os homens se encarregaram de implantar.

Na intimidade familiar, Benedito permaneceu casado durante 29 anos com dona Rosa, nascendo dessa união os filhos Rosa, Rusdayel e Roberto, este até hoje ajudando os negócios do pai. Da prole extraconjugal Mossoró já perdeu a conta. Da mesma forma com as mulheres que ocuparam sua vida e seu coração:

— Foram poucas, umas dez, mas só duas fizeram ponto na minha casa, até que apareceu a Francisca, com que vivo há quatro anos.

Torcedor fanático do CSA, não perde um jogo importante, sempre com seu indefectível rádio que chama a atenção pelo tamanho.

As grandes conquistas das últimas décadas não o impressionaram, nem mesmo a chegada do homem à lua ou a era dos computadores. Mas a televisão lhe reservou a maior alegria da vida, quando da conquista do tricampeonato mundial de futebol, pela seleção brasileira, em 1970 no México.

Nega-se peremptoriamente a emitir qualquer opinião sobre política, respeita todas as religiões e considera muito o trabalho da imprensa. Avô de cinco netos, espera que a vida lhe reserve, nos últimos anos, tranquilidade suficiente para enfrentar os problemas e segurança bastante para passar ao largo das crises econômicas de que o Brasil padece.

9 Comments on O dono do cabaré é Mossoró

  1. Rosa mossoro // 18 de novembro de 2015 em 22:03 //

    MEU PAI NUNCA COLOCOU A BOATE COM AMIGO NEM UM OUTRA COISA MINHA MÃE NÃO CHAMA ROSA VOCÊS FALAM MUITO ABOBRINHA. O ANIVERSÁRIO DA BOATE NUNCA FOI NO DIA 29 DE ABRIL.OUTRA COISA O CORONEL ADALTON FECHOU AS BOATES PORQUE ?

    PASSOU E VIU UM RAPAZ FAZENDO XIXI.NEM ISSO VOCÊS SABEM.PASSOU COM A FAMÍLIA. ACHO QUE UNICA PESSOA CAPAZ DE FALAR SOBRE MEU JA E FOI .QUE CHAMAVA DIVAKDO SURUAGY QUE REALMENTE FOI SMIGO DELE ATÉ O FIM.NO ENTERRO DE MEU PAI FOI POUCA GENTE PARA NÃO SER VISTO NO ENTERRO DELE.OU MELHOR DO MOSSORÓ. SEU YSAK OUTRO AMIGO DELE .DESSE A MIM , TÃO POUCA GENTE. HOJE TODOS QUEREM FALAR DELE UMA RUA NUNCA COLOCOU COM NOME DELE.DEIXA ELE EM PAZ. ALMENAGEM E VIVO.DEPOIS DE MORTO NÃO INTERESSA. ELE QUE SOFREU TANTO PRECONCEITO. ROSA MOSSORÓ

  2. Gostei muito dessa matéria falando muito bem da cultura alagoana dos anos 70. Sou neto do Dr Ednor Bittencourt.

  3. ManoelTenorio // 19 de novembro de 2015 em 20:00 //

    excelente materia!

  4. Carlos Costta // 20 de novembro de 2015 em 12:01 //

    Acho um tanto falta de profissionalismo da parte do jornal,está publicando uma matéria sem a permissão da família, mesmo o Mossoró sendo uma figura pública, mas no entanto ele não precisa de mídia porque nem está mais entre nós…Total falta de profissionalismo…

  5. Eu o conheci muito, porém eu tinha apenas 17 anos de idade e já frequentava o saudoso Areia Branca e peguei linda garotas lá kkkkkkkkk….Que saudade daquele tempo!…

  6. Caro Carlos Costta, a entrevista publicada foi dada por Benedito Alves dos Santos, o Mossoró, ao jornal Última Palavra, do jornalista Noaldo Dantas, em fevereiro de 1988. Ou seja: quem deu a entrevista foi o PRÓPRIO Mossoró. Pressuponho que na época ele não precisou da autorização da família para isso. O que fizemos foi reproduzir a entrevista já PUBLICADA. Ao que me consta, não há falta de profissionalismo nenhum em republicá-la. Ao contrário, é uma homenagem que prestamos a quem conseguiu ser popular e bem quisto, mesmo explorando uma atividade condenada por muitos.

  7. Ivan G Barbosa // 24 de Fevereiro de 2016 em 10:11 //

    Olá a todos!!

    Deixando de lado questões polemicas mas O AREIA BRANCA era um verdadeiro paraíso, alto astral, musica boa e garotas maravilhosas. Estive em Maceió a trabalho no ano de 1987 quando conheci não só o Areia Branca como também outros menos importantes, quem ia ao Areia Branca fatalmente tinha que passar por esses menores. Lembro do velho Mossoró sempre atento e solicito. Uma pergunta a J.A.Silva: lembra do nome de alguma garota ?, eu guardei até foto, mas
    infelizmente um amigo de Murici-AL roubou meu álbum.

    Abs.
    Ivan

  8. Jersonice Hanke // 26 de Março de 2016 em 01:33 //

    Gostei do cometário do Cabaré do Mossoró. Meu pai Artanhan Marcelino Dos Santos frequentou muito o Cabaré do seu pai.

  9. Carlos humberto // 10 de Abril de 2017 em 00:30 //

    Quanta saudade, sou da idade do Rui, meu amigo e filho do Mossoró, visitava o cabaré só pra comer churrasquinho na porta e olhar as putas. Valeu a reportagem.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*