Kariri-Xokó e as retomadas em Porto Real do Colégio

Ritual Kariri-Xocó - Foto de Vivian Scaggiante

Os Kariri-Xokó fixaram-se no município de Porto Real de Colégio, a 170 Km de Maceió, e contam com uma população de mais de 2 mil pessoas, organizados em 360 famílias.

Os Kariri-Xocó tem origem em variantes de outros povos.

Os Kariri fazem parte da grande nação Kariri – Confederação Kariri – que ocupava a região onde estão atualmente localizados os estados nordestinos da Bahia ao Ceará.

Nas margens do Rio São Francisco esses povos mantiveram o ritual indígena em estreita ligação com o povo Fulni-ô, município de Águas Belas, Estado de Pernambuco.

Ainda hoje, mesmo encurralados pela cidade, preservam os costumes religiosos, praticados nos finais de semana e durante quinze dias durante o mês de janeiro de cada ano. Nesses períodos todos os indígenas se voltam para o Ouricuri – lugar sagrado.

Foto de Celso Brandão

Foto de Celso Brandão

Os Xocó tradicionalmente viviam entre os estados de Alagoas e Sergipe, nos municípios de Pão de Açúcar e Porto da Folha.

Não aceitaram a submissão aos fazendeiros e foram expulsos pelos coronéis invasores de suas terras.

Foram acolhidos pelos parentes Kariri. Outros povos, quando eram perseguidos, também para lá corriam, a exemplo dos Karapotó, Pankararú, Tingui-Botó e Fulni-ô.

Conseguiram defender 100 hectares para a prática religiosa, visto que o restante do território tradicional foi invadido.

A população ficou espremida em um local da cidade que ficou conhecido como Rua dos Caboclos. Trabalhavam nas fazendas e lotes do Projeto Itiúba.

Desde 1940, na luta pelo reconhecimento étnico e demarcação da terra, as lideranças indígenas caminhavam até Bom Conselho, Pernambuco, passando por Palmeira dos Índios, onde dançavam o toré com os Xucuru-Kariri.

Em 1979, já exausto de procurar uma solução para as suas reivindicações, retomaram a Fazenda Modelo e, em 1994, retomou o Cercado Grande. Da área tradicional de 7.200 hectares, 700 hectares estão na posse indígena através de retomadas.

O povo, que tradicionalmente trabalhava com cerâmica e pesca, foi obrigado a mudar os costumes. Sem o barro e o peixe no rio, luta pela demarcação da terra para desenvolver a agricultura, possibilitando a continuidade física e cultural.

Fonte: Livro Povos Indígenas, de Jorge Vieira.

Foto Vivian Scaggiante

Foto Vivian Scaggiante

2 Comments on Kariri-Xokó e as retomadas em Porto Real do Colégio

  1. Edinisio de Assis // 11 de abril de 2016 em 23:35 //

    Nasci em Porto Real do Colégio/AL. Sou de origem xocó. Meus ancestrais eram da etnia kariri-xocó das margens do rio Itiuba, hoje povoado Girau do Itiuba. Vale significativamente conhecer um pouco da história desse povo que é o meu povo.
    Dr. Edinísio de Assis-OAB/SE 2428

  2. Jose Fernando da Silva Filho // 27 de dezembro de 2016 em 23:44 //

    Minha mãe e tia relatam que a tataravó de minha avó foi pega por caçadores e domesticada e, creio, que homem branco deva ter unido-se a ela e originado a família que pertenço. Por isso, tenho dúvidas de minhas origens, mas acredito ser índio kariri-xocó. Gostaria de saber.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*