Helena Taveiros, Miss Alagoas 1929

As misses reunidas no Salão Nobre do Fluminense Futebol Clube logo após o desfile perante a Comissão Julgadora. Helena Taveiros é a terceira da esquerda para a direita. Foto: O Malho, Ano XXVIII, nº 1.388, 20 de abril de 1929, p. 77
Helena Taveiros. Foto: O Malho, Ano XXVIII, nº 1.388, RJ, 20 de abril de 1929, p. 35

Helena Taveiros. Foto: O Malho, Ano XXVIII, nº 1.388, RJ, 20 de abril de 1929, p. 35

Por Etevaldo Amorim

Enquanto as nações europeias estavam em ruínas e tentavam se recuperar dos drásticos efeitos da Primeira Grande Guerra (1914-1918), os Estados Unidos experimentavam uma fase de grande prosperidade com a produção e exportação de farta quantidade de bens de consumo, dominando mercados em todo o mundo. E foi exatamente essa superprodução que, aliada à alta especulação na bolsa, levaram ao acontecimento conhecido por “Crash de 1929” ou “Quebra da bolsa de Nova York”. Por isso, o dia 29 de outubro daquele ano ficou conhecido como “quinta-feira negra”.

Mas, no início daquele ano, a sociedade americana não tinha ainda sinais do que viria a acontecer e apenas desfrutava da fartura e dos prazeres das noites, em boates e clubes e nos cinemas, que se tornara uma grande diversão. Eram os chamados “loucos anos 20”.

Uma dessas badalações era o Concurso Internacional de Beleza de Galveston, no Texas, região da Costa do Golfo. No Brasil, o jornal carioca A Noite promoveu o Concurso Miss Brasil, cuja vencedora seria eleita representante brasileira no Concurso daquela cidade americana. Os Estados, então, enviariam suas representantes ao Rio de Janeiro, então Capital Federal.

Cel. Galdino de Alcântara Taveiros, avô de Helena Taveiros. Foto: O Malho, Ano VI, nº 274, RJ, 14 de dezembro de 1907, p. 32

Cel. Galdino de Alcântara Taveiros, avô de Helena Taveiros. Foto: O Malho, Ano VI, nº 274, RJ, 14 de dezembro de 1907, p. 32

Foi assim que, em março de 1929, um concurso promovido pelo Jornal de Alagoas movimentou a sociedade alagoana e, em especial, a de Maceió. No dia 20, perante vultosa assistência, o Júri se reuniu na Academia do Comércio[i] para a eleição da mais bela alagoana daquele ano.

Composto por Barreto Cardoso, Guedes de Miranda, Jayme d’Altavila, Lourenço Peixoto, Lima Junior, Carlos Garrido e Jorge de Lima, nomes da mais alta respeitabilidade, o Júri elegeu em 1º lugar a Srtª Helena de Miranda Taveiros; em 2º lugar, a Srtª Totola Paes e, em 3º, Luzia Pinto.

Nascida de uma tradicional família alagoana, Helena de Miranda Taveiros era filha do comerciante Avelino de Alcântara Taveiros e de D. Maria Amélia de Miranda Taveiros (filha do Cel. Manoel Joaquim de Miranda). Seu avô paterno era o Cel. Galdino de Alcântara Taveiros, que foi Deputado Provincial nas legislaturas 1899-1900; 1901-1902; 1903-1904; e 1905-1906; e Secretário da Fazenda no Governo do Barão de Traipu, em 1895. Sua avó paterna, Philomena de Albuquerque Taveiros, era filha do advogado Francisco Remígio de Albuquerque e de D. Leonor Rosaura de Albuquerque, e tia do jornalista Carlos Araújo e do farmacêutico e poeta Cypriano Jucá.

Avelino de Alcântara Taveiros (pai de Helena) e seu irmão Rutílio de Alcântara Taveiros. Foto. O Malho, Ano VI, nº 236, RJ, 23 de março de 1907, p. 25

Avelino de Alcântara Taveiros (pai de Helena) e seu irmão Rutílio de Alcântara Taveiros. Foto. O Malho, Ano VI, nº 236, RJ, 23 de março de 1907, p. 25

Consagrada como “a mais bela mulher alagoana”, Helena Taveiros estava habilitada a representar o Estado no Concurso Miss Brasil, patrocinado, como já dissemos, pelo jornal A Noite, no Rio de Janeiro, como parte do Concurso Internacional de Beleza de Galveston, Texas, Estados Unidos. Nessa condição, seguiu de trem para o Recife no dia 24 de março, acompanhada pelo seu irmão de Hermes de Miranda Taveiros, onde hospedaram-se no Hotel Central no aguardo da data para o embarque. (Diário Carioca, 5 de maio de 1929.)

No dia seguinte, 25 de março, um grupo de alagoanos ofereceu um jantar à miss no famoso Restaurante Leite, no Recife. O Sr. Leopoldo Rocha, em nome do “Club Rio Negro”, ofereceu-lhe um lindo presente;

Na Capital Federal, toda a colônia alagoana aguardava a chegada da sua miss. Tanto que, a 28 de março, o Cel. Amilcar Nelson Machado, Presidente do Centro Alagoano, recebe o seguinte telegrama do deputado alagoano Luiz Silveira:

8 de abril. O Teatro Lírico lotado para a apresentação das misses. Fonte: A Noite, 9 de abril de 1929

Teatro Lírico lotado para assistir ao espetáculo oferecido as misses. Fonte: A Noite, 9 de abril de 1929

“Bordo ‘Arlanza‘ seguiu senhorita Helena Taveiros proclamada Miss Alagoas. Cordiais saudações”

Embarcou para o Rio de Janeiro a bordo do vapor Arlanza, em companhia do seu irmão Hermes de Miranda Taveiros e da Miss Pernambuco, Srtª Connie Braz da Cunha[ii]. No Rio, as misses ficaram hospedadas no Hotel Itajubá, na Cinelândia.

No dia 8 de abril, as 15 Misses[iii] compareceram ao Teatro Lírico, quando lhes foi oferecido um espetáculo de gala com a apresentação da ópera O Guarani, de Carlos Gomes.

As candidatas eram, literalmente, decantadas em prosa e verso. A poetisa Luiza Ruas, que também era modista e professora de música no Rio de Janeiro, dedicou esses versos à representante alagoana:

“Vejo-te altiva, altaneira, convencida de tua missão
Bandeirante da beleza da linda Pátria alagoana
Sinto toda essa beleza ao beijar a tua mão
Como um fluido sereno que do teu ser emana.

Membros do júri: Em cima: os pintores Rodolpho Chamberland e Rodolpho Amoedo; Raul Leitão da Cunha, professor de anatomia da Faculdade de Medicina. Em baixo: Escritor Coelho Neto, presidente do Júri; Paulo Filho, Presidente da Associação Brasileira de Imprensa; Escultor Honório Cunha

Membros do júri: Em cima: os pintores Rodolpho Chamberland e Rodolpho Amoedo; Raul Leitão da Cunha, professor de anatomia da Faculdade de Medicina. Em baixo: Escritor Coelho Neto, presidente do Júri; Paulo Filho, Presidente da Associação Brasileira de Imprensa; Escultor Honório Cunha

Em teu vestido branco com longos fios de prata
Faze lembrar a mais linda cascata
Que maravilha e assombra com as belas cachoeiras,
A Europa, o Novo Mundo e essas terras brasileiras.

És a Uyara misteriosa dessas grutas tenebrosas
Dos pélagos profundos e das montanhas alterosas
De suas quedas d’água, emblema de força e poder,
Deste majestoso país que nos viu nascer.

Em teus braços vivo Brasil e teu manto constelado
Onde o Cruzeiro do Sul nele está assinalado
De belezas incomparáveis, mostrando ao mundo inteiro
O valor, a nobreza do povo brasileiro.

Recebe, pois, ‘Miss Alagoas’, meus sinceros cumprimentos
Pelas excelsas virtudes, pelos nobres sentimentos
Que revelas em tua fina educação
E pela magnitude do teu belo coração. ”

Enquanto Olegário Mariano saudava a representante de Pernambuco, o poeta alagoano Goulart de Andrade oferecia esses versos:

“A Pátria que deu à História
Os marechais da vitória republicana,
Ao prélio da formosura
Manda a beleza mais pura
Para a vitória alagoana.

Aspecto do Estádio do Fluminense, comportando verdadeira multidão para assistir ao desfile

Aspecto do Estádio do Fluminense, comportando verdadeira multidão para assistir ao desfile

Vibrem por toda a imensidade,
Não as canções que a guerra inspira,
Mas o louvor da Gran Beldade!

Desfira,
Na argêntea lira
Um canto real. ”

Do mesmo modo, no Jornal das Moças, edição de 2 de maio, uma poesia de Manoel Gregório saudava a nossa miss:

Embaixatriz da graça e da beleza
Da terra dos ilustres Marechais,
Tens um porte fidalgo de princesa,
Tens o encanto gentil dos madrigais!

Teu coração, tão cheio de nobreza,
Teu riso de meiguices magistrais
E teus modos de tanta gentileza
São atrativos que não têm rivais!

Outro aspecto do estádio do Fluminense na final do Concurso. Fonte: revista Fon-fon, Ano XXIII, Nº 17, 27 de abril de 1929, p. 42

Outro aspecto do estádio do Fluminense na final do Concurso. Fonte: revista Fon-fon, Ano XXIII, Nº 17, 27 de abril de 1929, p. 42

Oh! Minha conterrânea ilustre e altiva,
Tu és da nossa terra a flor mais viva,
A perfumar, sorrindo, os nossos lares…

A vitória de tua formosura
Fez-te a Rainha, cheia de candura,
Da hospitaleira terra de Palmares! …

A prova final para a escolha da Miss Brasil estava marcada para o dia 14 de abril. Porém, o mau tempo fez com que fosse remarcado para o dia 16. O desfile aconteceu no estádio do Fluminense Futebol Clube, que ficou totalmente tomado pelo público, fazendo com que o desfile fosse feito no Salão Nobre, apenas para o Júri.

Todas as misses cumpriam intensa programação social: visita a corporações militares, hospitais, escolas, recitais, jantares, etc. E o comércio faturava com presentes os mais diversos, o que era recompensado com generosos anúncios nos jornais e nas revistas.

Helena Taveiros recebeu de membros da colônia alagoana um “mimo”: uma medalha de madrepérola com o busto de Santa Terezinha do Menino Jesus, em rica moldura de platina e brilhante, com cordão do mesmo metal, adquirida na joalheria M. L. Krause e Cia, que foi entregue à miss pelos drs. Frederico Souto, Clementino do Monte, Antônio B. Passos e Povina Cavalcanti. (Diário Carioca, 5 de maio de 1929).

As misses reunidas no Salão Nobre do Fluminense Futebol Clube logo após o desfile perante a Comissão Julgadora. Helena Taveiros é a terceira da esquerda para a direita. Foto: O Malho, Ano XXVIII, nº 1.388, 20 de abril de 1929, p. 77

As misses reunidas no Salão Nobre do Fluminense Futebol Clube logo após o desfile perante a Comissão Julgadora. Helena Taveiros é a terceira da esquerda para a direita. Foto: O Malho, Ano XXVIII, nº 1.388, 20 de abril de 1929, p. 77

Outro presente lhe foi oferecido pela firma S. R. Soares, estabelecida com confecção de meias na rua Theodoro da Silva, 180-A: uma dúzia de pares de meias finíssimas, marca “Parisette”, de seu fabrico. (A Noite, 13 de abril de 1929) Também a Casa Pereira de Souza (Rua Gonçalves Dias, 4), lhe ofereceu um lindo chapéu de passeio.

No dia 20 de abril, esteve no Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro (O Jornal, 21 de abril de 1929), na Praça da República, em visita a um parente seu que fazia parte da Corporação, o bombeiro Petrônio Correia Gil. Chegando no automóvel do comandante Maximino Barreto, foi recebida por uma comissão de oficiais composta pelo capitão Athanázio Gomes Vieira e pelos tenentes Hermillo Costa e Silva e Oscar Pires Velloso, sendo saudada pelo Oficial do Dia, Cap. Alexandre Loureiro Júnior.

No Corpo de Bombeiros, Helena Taveiros ao lado de sua tia e, em pé, o seu primo bombeiro Petrônio Correia Gil, seu irmão Hermes Taveiros e o Tenente Hermillo. Foto: revista O Clarão, junho de 1929, p. 27

No Corpo de Bombeiros, Helena Taveiros ao lado de sua tia e, em pé, o seu primo bombeiro Petrônio Correia Gil, seu irmão Hermes Taveiros e o Tenente Hermillo. Foto: revista O Clarão, junho de 1929, p. 27

No dia 23 de abril, visitou o contratorpedeiro Alagoas (A Manhã, 24 de abril de 1929), acompanhada de pessoas de sua família e do Capitão-Tenente Carlos Oscar Guimarães, sendo recepcionada pelo seu comandante, Capitão de Corveta João Bittencourt Calazans e pelo Imediato, Cap. Tenente Eugênio da Costa Mattos. Na ocasião, o comandante mostrou à miss a velha bandeira que a sociedade alagoana lhe oferecera há mais de vinte anos. Um ano depois, Helena presentearia o navio com uma bandeira nova, de bela confecção de costureiras alagoanas.

O comandante proferiu um longo e comovente discurso, que foi respondido pelo Sr. Hermes Taveiros. Em seguida o sargento Henrique Olsen presenteou a Miss com uma fotografia do Alagoas, encaixada em bela moldura. (A Manhã, 24 de abril de 1929).

Enquanto esteve no Rio de Janeiro, a miss Alagoas recebeu uma carta do sentenciado Benedito Carneiro. Dizendo-se tuberculoso, pedia algumas coisas de que precisava: uma colcha, um lençol, um colchão de palha e uma camisa de meia. Helena foi, então, até a Casa de Detenção para atender ao pedido, sendo recebida pelo Coronel Meira Lima, Diretor daquela Instituição. (Gazeta de Notícias, RJ, 4 de maio de 1929, p. 2.)

Antes de deixar o Rio de Janeiro, visitou a redação de A Noite, ocasião em que deixou impressões sobre a sua participação no Concurso:

Helena Taveiros em visita do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal em companhia do seu irmão Hermes Taveiros, penúltimo à esquerda. A seu lado, o Cel. Maximino Barreto, comandante daquela corporação. Revista O Clarão, maio de 1929, p. 27

Helena Taveiros em visita do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal em companhia do seu irmão Hermes Taveiros, penúltimo à esquerda. A seu lado, o Cel. Maximino Barreto, comandante daquela corporação. Revista O Clarão, maio de 1929, p. 27

“Ainda me encontro sob a impressão de deslumbramento, que desde a minha chegada a esta Capital toda me domina, e me guia os passos e me inspira as palavras. O concurso de beleza, que poderia sido, sem dúvida, uma simples parada de vaidade, uma grande festa de caráter fútil, o povo brasileiro o transformou em uma formidável demonstração de civismo. Sentiu-o durante todo o desenrolar da campanha e disso estou, no momento, convencida. O carinho, o entusiasmo, a exuberância da alma que nos cercaram, dia a dia, desde o primeiro até o instante em que parto, são disso a melhor prova. E nós outras, investidas das representações, que poderíamos ter considerado o caso como um pretexto de entretenimento, sentimos todas que a representação nos trouxe, ao contrário, responsabilidades seríssimas perante nossos Estados e o Brasil, responsabilidades que continuam. Eu, por mim, desejaria, até não sei quando, viver imaterialmente uma vida de beleza, uma vida de símbolo…”

Perguntada se partia saudosa, Helena respondeu:

“Mas, de certo! Eu padeço a nostalgia da minha terra. Não só do meu Estado, mas também, e principalmente, do meu recanto natal, da cidade que me viu nasceu e me assiste. Aqui, igualmente, sinto essa nostalgia a me doer no espírito, a me solicitar, a me acenar, de longe. Entretanto, o fulgor desses dias de alegria, de cordialidade e, por que não dizer, de glória, cercada do aplauso do povo, sinto-o em mim como uma fascinação irresistível. Eu, que receara desmerecer-me, sinto-me engrandecida pela nobreza e pelo resplendor do torneio. E, repare, eu que sobro no momento a nostalgia da minha terra, tenho a certeza de que partirei para a minha terra com as lágrimas nos olhos e o choro no coração”.

Algumas misses em visita à Escola Nacional de Belas Artes. A partir da esquerda: miss Paraíba, miss Alagoas, miss Pernambuco, miss São Paulo e miss Espírito Santo. Fonte: O Malho, 20 de abril de 1929

Algumas misses em visita à Escola Nacional de Belas Artes. A partir da esquerda: miss Paraíba, miss Alagoas, miss Pernambuco, miss São Paulo e miss Espírito Santo. Fonte: O Malho, 20 de abril de 1929

E, de fato, diz o jornal, Helena Taveiros “Miss Alagoas” partiu chorando do Rio.

Cumprida a sua missão, a 10 de maio, Helena embarcou de regresso a Maceió pelo vapor “Pará”, do Lloyd Brasileiro, em companhia da Miss Piaui, Antônia de Arêa-Leão, que depois seguiria para seu Estado.

No dia 13, tocando o “Pará”, do Lloyd Brasileiro, o porto de Salvador, as duas misses desceram para um breve passeio. À tarde, as colônias de Alagoas e Piauí, sediadas na Bahia, ofereceram um chá dançante a bordo.

No dia 14 de maio, por volta das 15:00 horas, Helena desembarcava em Maceió, sendo recebida por cerca de duas mil pessoas. Depois de ser saudada pelo estudante Carlos Duarte, tomou lugar na limousine do Governo do Estado, onde estada o governador Álvaro Paes que, em companhia de sua irmã Mariazinha Paes, a levou para a sua residência, onde foi festivamente recepcionada. Também a bordo do Pará, veio a miss Piauí, Srtª Antônia Arêa-Leão, que também se dirigiu à residência do governador no luxuoso Pockard da Prefeitura, oferecido pelo Prefeito em Exercício, Dr. José Carneiro.

Embarque de Helena Taveiros no porto do Rio de Janeiro. Foto: A Noite, 10 de maio de 1929

Embarque de Helena Taveiros no porto do Rio de Janeiro. Foto: A Noite, 10 de maio de 1929

Um extenso cortejo de automóveis e bondes se formou no trajeto entre o porto e a casa da miss. Ali, então, foi novamente saudada pelo estudante Raul Lima que, em nome dos que a receberem, lhe ofereceu “um caro anel de platina e brilhantes” e “um rico relógio-pulseira de platina e ouro”, diz o jornal pernambucano A Província, acrescentando ainda:

Miss Alagoas será ainda homenageada com um baile na sede dos ‘Alliados’ e outro na sede do C. R. B, um five-o-clock no Café Continental e uma consagração artística no cinema Capitólio”. De fato, o Club dos Alliados ofereceu um ‘Café Paulista’, com a presença do Governador Álvaro Paes, ocasião em que foi saudada pelo orador do Club, Sr. Lauro Jorge.”

Miss Brasil, Olga Bergamini de Sá, ao lado do Embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Sr. Sylvio Gurgel do Amaral. Fonte: Museu Histórico Nacional

Miss Brasil, Olga Bergamini de Sá, ao lado do Embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Sr. Sylvio Gurgel do Amaral. Fonte: Museu Histórico Nacional

Segundo José Franklin Casado de Lima, em “Maceió, década de 30”, Helena Taveiros teria participado do filme “Casamento é negócio?”, produzido pela Gáudio Filmes e financiado pela Companhia Petróleo Nacional, com direção, argumento e fotografia de Guilherme Rogato. Trata-se de um curta metragem com locação na Praça Deodoro, Sítio Leopoldis, Praça D. Pedro II e Lagoa Manguaba, um dos primeiros filmes feitos em Alagoas. Entretanto, o site da Cinemateca Brasileira (cinemateca.gov.br), não traz no elenco o nome de Helena Taveiros, mas de Morena Mendonça, que, aliás, é o nome da personagem principal. O filme, ainda disponível na internet, mas em péssimo estado, traz ainda no cast: Bonifácio da Silveira (o major Bonifácio), Luis Girard, Moacir Miranda, Josefa Cruz, Agnelo Fragoso, Orlando Vieira, Armando Montenegro, Antônio Portugal Ramalho e Claudio Jucá. (Fonte: http://www.brasilbrasileiro.pro.br/jfranklin.pdf).

Miss Áustria, Srtª Lisl Goldarbeiter (Viena, 23/03/1909, Budapest, 14/12/1997), eleita Miss Universo 1929

Miss Áustria, Srtª Lisl Goldarbeiter (Viena, 23/03/1909, Budapest, 14/12/1997), eleita Miss Universo 1929

A grande vencedora do concurso foi a Miss Distrito Federal (miss Botafogo), Srtª Olga Bergamini de Sá[iv], que foi a Galveston representando o Brasil. A Miss Universo foi a representante da Áustria, Srtª Lisl Goldarbeiter. Mas essa já é uma outra história.

 

.

 

 

[i] Instituição de ensino mantida pela Sociedade Perseverança e Auxílio dos Empregados do Comércio.

[iii] Edna Frazão Ribeiro, Amazonas; Elza Bezerra, Pará; Maria Nazareth Silveira, Ceará; Connie Braz da Cunha, Pernambuco; Helena Taveiros, Alagoas; Marieta Reivas, Rio de Janeiro; Olga Bergamini de Sá, Distrito Federal; Didi Caillet, Paraná; Bia Ortiz, Rio Grande do Sul; Nelly Menezes, Sergipe; Nair Pedreira de Freitas, Bahia; Jesuina Pimentel Marinho, Minas Gerais; Yvone de Freitas, São Paulo; Glycia Serrano, Espírito Santos; Eimar Pinto Pessoa, Paraiba; Zulma da Costa Freyerleben, Santa Catarina; Marietta Relvas, Estado do Rio de Janeiro; Maria de Lourdes Pantoja, Maranhão; Hilda Netto, Paraíba;

[iv] Olga Bergamini de Sá, filha do comerciante português Francisco Marques Ferreira de Sá (que se suicidou em 29 de julho de 1931) e da italiana Luiza Bergamini de Sá e sobrinha do Deputado Adolfo Bergamini. Casou-se, em 1935, com o Dr. Danilo Bracet. Nasceu no dia 8 de maio de 1911 na vila Martins Mota, Rua do Catete, nº 92, casa XXII, Rio de Janeiro.

4 Comments on Helena Taveiros, Miss Alagoas 1929

  1. Suelen Galvão // 23 de novembro de 2015 em 20:43 //

    Perfeito!!!
    Contando a historia de uma parte da familia de meu Pai! Helena Taveiros irmã de Hélio de Alcantara Taveiros ( MEU AVÓ)
    Ela nessa foto de perfil parece muito com uma de minhas irmãs e meu pai tambem parece demais com ela. Parabens pela publicaçao!

  2. José Carlos // 14 de dezembro de 2015 em 20:41 //

    Suelen, Helena Taveiros faleceu no Rio de Janeiro? Ela teve filhos?

  3. Minha filha se chama Helena Taveiros ,NOSSA!!!!! Muita, coincidência…

  4. Margarida Maria // 14 de abril de 2017 em 18:46 //

    Boa noite
    Parabéns e muito obrigada pela belíssima reportagem sobre Helena Taveiros. Ela é minha tia. Nossa família está muito grata.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*