Barra de Santo Antônio, a bela filha de um grande rio

Desfile escolar na Ilha da Croa, Barra de Santo Antônio, no anos 70
Antigo prédio da Prefeitura da Barra de Santo Antônio

Antigo prédio da Prefeitura da Barra de Santo Antônio

A informação mais antiga que se tem sobre a Barra de Santo Antônio remonta a 1624, quando a esquadra da primeira invasão holandesa ao nordeste do Brasil se deslocava para a Bahia onde invadiu Salvador (então capital do Brasil) sob o comando de Jacob Willekens.

Na passagem pela costa alagoana, Albert Sourth fez parar um dos navios e desembarcou em uma pequena povoação de pescadores. O local era conhecido como “Poço dos Veados” por causa do rio que lá desaguava.

No período da ocupação holandesa no Nordeste novamente há registro de atividades militares nesta região. Em 1635, Segismundo Van Scopp perseguindo Matias de Albuquerque depois de expulsá-lo de Porto Calvo, construiu um forte em um morro à margem esquerda do rio Sauaçuy, onde deixou uma guarnição comandada pelo coronel Arthioski.

Desfile escolar em frente à Igreja de NS da Conceição na Ilha da Croa, Barra de Santo Antônio

Desfile escolar em frente à Igreja de NS da Conceição na Ilha da Croa, Barra de Santo Antônio

Em 1753 foi construída na Ilha da Croa a capela que deu origem à Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição. Em 1880, o Almanak da Província de Alagoas registra que na Barra de Santo Antonio Grande existia uma capela e o povoado pertencia à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição, que também abrangia Matriz de Camaragibe e São Luiz do Quitunde.

Somente no dia 11 de outubro de 2014 é que a comunidade do município da Barra de Santo Antônio foi elevada à paróquia, que tem como patronos Nossa Senhora da Conceição e Santo Antônio, e conta igrejas presentes na área urbana da cidade e na Ilha da Croa.

Durante a revolução que ficou conhecida como Cabanada, em 1832, muitos moradores de Porto Calvo e Porto de Pedras procuraram refúgio nos já existentes povoados de Paripueira e Barra de Santo Antônio, assim denominado em homenagem ao Rio Santo Antônio Grande.

Uma das construções que mais perdurou no município foi um cruzeiro construído na atual Ilha da Croa. Durante muitos anos servia de ponto de partida para a procissão de Bom Jesus dos Navegantes. O monumento foi destruído pelo tempo.

Em 1900, outro cruzeiro foi erguido na parte alta da cidade por iniciativa de uma comissão de moradores composta por Cassimiro Duarte, Manoel e Amâncio Neto. Tinha a finalidade de orientar as embarcações dos pescadores. Era iluminado por carbureto.

Nos anos sessenta, a cruz de madeira teve seu pé apodrecido e caiu. Foi Arnaldo Bastos Santos quem formou um grupo de trabalhadores e recolocou a cruz no seu lugar. Participaram do trabalho os senhores  Afradízio Lopes, Francisco Lúcio e Antônio José (Boré).

No período de maior desenvolvimento econômico da Barra de Santo Antônio, funcionava um estaleiro para barcos e navios de pequeno porte. A pesca e a exploração da pedra calcária sempre foram os pontos básicos da economia.

Em 1924, durante o governo de Fernandes Lima, foi inaugurada a estrada ligando a Barra de Santo Antônio a São Luiz do Quitunde, então sede do município. Neste mesmo ano, uma casa foi desapropriada e a praça foi ampliada.

O movimento de emancipação política do distrito, então pertencente a São Luiz do Quitunde, foi liderado por Manoel Monteiro de Carvalho. Em 1960, a cidade conseguiu a emancipação.

Barra de Santo Antônio tem, no turismo, sua vocação natural. Suas praias conservam características selvagens e linhas de arrecifes formam piscinas naturais de uma limpidez incontestável.

Cortada pelo Rio Santo Antônio Grande, a Barra se divide em duas partes, a mais urbana que integra a estrutura da cidade, e a mais nativa, onde se concentram os principais pontos turísticos entre eles a Ilha da Croa, cuja travessia era feita por balsas até abril de 2010, quando o acesso foi facilitado após a inauguração da ponte. Ainda como atrativos existem as praias de Carro Quebrado, das Enseadas e Tabuba.

Formação Administrativa

Ponte da Barra de Santo Antônio, inaugurada em 2010

Ponte da Barra de Santo Antônio, inaugurada em 2010

Em divisões territoriais datadas de 31 de dezembro de 1936 e 31 de dezembro de 1937, figura no município de São Luís do Quitunde o distrito de Barra de Santo Antônio Grande.

Pelo decreto-lei estadual nº 2909, de 30 de dezembro de 1943, o distrito de Barra de Santo Antônio Grande passou a denominar-se simplesmente Barra de Santo Antônio.

Em divisão territorial datada de 1º de dezembro de 1950, o distrito de Barra de Santo Antônio ex-Barra de Santo Antônio Grande, figura no município de São Luís do Quitunde.

Assim permanecendo em divisão territorial datada 1º de dezembro de 1960.

Elevado à categoria de município com a denominação de Barra de Santo Antônio, pela lei estadual nº 2285, de 20 de agosto de 1960, desmembrado de São Luís do Quitunde. Sede no antigo distrito de Barra de Santo Antônio. Constituído do distrito sede. Instalado em 22 de setembro de 1960.

Em divisão territorial datada de 31 de dezembro de 1963, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte: Ibge

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*