Barão de Murici – Jacintho Paes Moreira de Mendonça

Igreja do Senhor Bom Jesus onde está enterrado o Barão de Murici

Primeiro e único Barão de Murici, foi agraciado Barão em 18 de setembro de 1886. Nasceu em Matriz de Camaragibe, 19 de outubro de 1835, e faleceu em Matriz de Camaragibe, 14 de dezembro de 1894, no Engenho Bom Jesus, sendo sepultado na igreja do Senhor Bom Jesus, em Matriz de Camaragibe.

Bacharel em ciências jurídicas e sociais, era filho de José de Mendonça Matos Moreira e de Maria de Souza Alarcão Ayala.

Com a instalação da República em 15 de novembro de 1889, todos os títulos nobiliárquicos foram cassados e o Barão de Murici praticamente não usufruiu do seu Baronato.

Nomeado 2º vice-presidente da Província em 21 de julho de 1859, assume o governo de 18 de agosto a 1º de outubro do mesmo ano. Em maio de 1861, toma posse como deputado geral, na Câmara dos Deputados, em substituição a Carlos Augusto de Silveira Lobo, que teve o seu diploma anulado.

Foi Juiz substituto em Passo de Camaragibe e deputado provincial de Alagoas a partir de 1846 e deputado geral nas legislaturas 1861-63 e 1869-71. Senador da República, iniciou o seu mandato em 27 de abril de 1871 por nomeação imperial após escolha em lista tríplice, e representou Alagoas no Senado até 1889. Dedicou-se à agricultura em seu Engenho Bom Jesus.

Casou-se quatro vezes: a primeira com Amélia Buarque, descendente de Manuel Buarque de Jesus, Senhor do Engenho Samba, patriarca da família Buarque, de Alagoas. A segunda com Júlia de Mendonça, a terceira com Maria Luiza de Albuquerque Sarmento e a quarta com sua sobrinha, Felicidade Perpétua Moreira de Mendonça, Baronesa de Murici.

Há registro nos jornais do falecimento de uma sua esposa de nome Francisca de Barros Wanderley Mendonça, com quem teve os filhos Jacintho Paes de Mendonça, deputado provincial, e Bernardo Paes de Mendonça, mais conhecido como Bernardo Antônio de Mendonça Sobrinho. Como o pai, também chegou ao Senado após passar pela Câmara dos Deputados.

O comendador Jacintho Paes Mendonça era fidalgo cavaleiro da Casa Imperial, cavaleiro da Imperial Ordem de Cristo (2 de dezembro de 1850) e oficial da Imperial Ordem da Rosa.

Por sua participação na recepção a D. Pedro II em Maceió no ano de 1859, esperava-se que aparecesse na lista de condecorados divulgada em maio do ano seguinte. O jornal Diário das Alagoas de 17 de abril de 1860, assim noticiou o descontentamento: “Parece incrível que nessa grande lista não figure com um dos primeiros condecorados o Exmo. Sr. comendador Jacintho Paes Mendonça, que na província das Alagoas foi o primeiro a se distinguir na recepção de SS. MM. II”.

O jornal esclarece a razão do descontentamento: “Por todas as províncias que tiveram a honra da visita imperial um cidadão não houve que gastasse o dinheiro que gastou o Sr. comendador Jacintho na província das Alagoas, sem falarmos dos seus serviços pessoais que foram sem dúvida alguma relevantíssimos”.

Entretanto, não era alvo somente de elogios nos jornais. O Brado da Comarca de Porto Calvo, editado por Alexandre da Cruz Luduvice Cambrainha do Império, publicou, no dia 4 de maio de 1859, uma nota dirigida ao imperador D. Pedro II, com críticas duras ao político de Porto Calvo, denunciando os desmandos dele e de seus dois irmãos, Manoel Joaquim de Mendonça Castelo Branco e Bernardo Antônio de Mendonça.

Sabendo que Jacintho Paes Mendonça pretendia um baronato, o jornal assim o apresentou ao imperador: “Senhor, este indivíduo está denunciado como traficante de escravos boçaes, e até hoje ainda não foi instaurado o competente processo, porque ele se arroga a um poderio eleitoral que cega os presidentes”.

O Barão de Murici aparece em vários jornais e em diversas épocas como proprietário dos Engenhos Escurial, Carrilho, Duas Barras, Novo, Oriente e Bom Jesus.

4 Comments on Barão de Murici – Jacintho Paes Moreira de Mendonça

  1. João Paulo Olivelira // 26 de junho de 2016 em 18:50 //

    Há pouco mais de dois anos fizemos um armorial com todos os brasões de todos os nobres alagoanos, sendo eles nascidos aqui ou não.

  2. Marita buarque // 6 de janeiro de 2017 em 02:49 //

    O barão de Murici era meu tretavó, estou tento escrever a historia do meu avó que era neto dele aurélio de mendonça buarque.

  3. João Paulo Oliveira // 10 de janeiro de 2017 em 12:48 //

    O Barão de Murici era primo do Barão de Anadia (Manuel Joaquim de Mendonça Castelo Branco) do irmão deste o Comendador Jacinto Paes de Mendonça, do Barão de Jarguá (José Antônio de Mendonça) e do irmão deste o Barão de Alcantarilha (Sebastião José de Mendonça), todos netos do Desembargador do Reino de Portugal o senhor José de Mendonça de Matos Moreira.

  4. Marita buarque // 15 de maio de 2017 em 00:27 //

    Quem tiver informação sobre o barão de murici, por favor informe-me, preciso de dados para escrever a historia do meu avó que neto dele.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*