José Antônio de Mendonça, o Barão de Jaraguá

Companhia União Mercantil, em Fernão Velho, implantada pelo Barão de Jaraguá em 1863

Nomeado barão em 14 de março de 1860. Nasceu em Algarve, Portugal, em 1800 e faleceu em 1870. Foi casado com D. Francisca Benedicta Eugênia do Bomfim.

Filho de José de Mendonça de Matos Moreira e Maria de Sousa Alarcão Ayala. Foi Deputado provincial nas legislaturas 1844-45, 48-49 e 1850/51. Coronel e rico proprietário, instalou a primeira fábrica de tecidos de Alagoas que começou a produzir em setembro de 1863, em Fernão Velho.

Palácio do Barão de Jaraguá, hoje abriga a Biblioteca Pública de Alagoas

Palácio do Barão de Jaraguá, hoje abriga a Biblioteca Pública de Alagoas

Segundo Moacir Medeiros de Santana, substituiu o primeiro vice-cônsul de Portugal, que fora afastado do cargo em 21 de dezembro de 1840 por ter-se envolvido em questões de contrabando de pau-brasil.

Em outubro de 1844, foi acusado de estar envolvido na sedição ocorrida em Maceió, quando o cabano Vicente Ferreira de Paula invadiu a cidade forçando o presidente da província, Bernardo de Souza Franco, a refugiar-se em um navio. Foi preso no porão do brigue-escuna Caliope e demitido de suas funções consulares portuguesas.

Em 22 de maio de 1847 foi novamente nomeado comandante superior das guardas nacionais da comarca de Maceió. Tinha como ajudante de ordens Paulo Joaquim Telles Júnior e Manuel da Costa Pereira Cutrin.

Seu palacete hospedou D. Pedro II em 31 de dezembro de 1859, quando esteve em Alagoas para a inauguração da Catedral Metropolitana.

Quando a primeira pedra da Igreja Matriz foi lançada, em 22 de novembro de 1840, José Antônio de Mendonça dividia com Antônio da Silva Lisboa e Lourenço Cavalcanti de Albuquerque Maranhão, depois Barão de Atalaia, a responsabilidade pela captação de recursos para a obra. Ele mesmo foi um dos que mais contribuiu.

O Barão de Jaraguá se envolveu numa contenda histórica com o Barão de Atalaia, que era o proprietário do antigo Sobrado do Camocho, no Centro de Maceió.

O Barão de Jaraguá teria construído, em 1840, seu palacete (hoje Biblioteca Pública), impedindo a visão que o Barão de Atalaia teria do mar.

A moradia do Barão tinha ainda uma ampliação que se estendia até a Rua Barão de Anadia, ao lado da Praça dos Palmares, edifício que ficou conhecido como o Palácio Velho, em frente ao Hotel Bela Vista. Esta parte foi derrubada na década de 1940.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*