Bar das Ostras e a receita do seu famoso camarão

Bar das Ostras no seu primeiro endereço, na Av. Cruzeiro do Sul, no Vergel

Dona Oscarlina foi quem criou a receita famosa

No início, dona Oscarlina Maria da Silva e seu esposo Pedro Luís da Silva, preparavam os petiscos para atender os amigos que se aglomeravam em sua casa na beira da Lagoa Mundaú, no Vergel do Lago.

Eram personalidades da economia e da política alagoana, que a pretexto de irem comprar frutos do mar e da lagoa utilizavam a casa do seu Pedro Luís, que fornecia peixe até para a Santa Casa de Maceió, para tomarem umas e outras, sempre bem servido dos preparos de dona Oscarlina.

Entre estes frequentadores estavam Teotônio Vilela, Carloman Carneiro, Radjalma Rego, Ednor Bittencourt, Dirceu Falcão, Pedro Reis, Benedito Bentes e José Alexandre. O bar ficava na Rua Cruzeiro do Sul, nº 487, e o acesso se dava pela Rua Balbino Lopes, ao lado do Colégio Rui Palmeira.

No início dos anos 50, quando abriram o estabelecimento, seus proprietários não imaginavam que o Bar das Ostras seria promovido a um dos destinos mais cobiçados pelos alagoanos e pelos turistas que nos anos seguintes começaram a vir para Maceió.

O prato principal era o famoso “Camarão à moda das Ostras”, cuja receita foi passada para os filhos e mantida em segredo até 2013. Marta Silva, uma das filhas do casal, em entrevista à revista Última Palavra em 1989, deu pistas sobre o seu preparo: “Ingredientes de primeira qualidade e cozinhar com manteiga boa”.

Mudanças

Bar das Ostras na Rua Teonilo Gama, no Trapiche

A mesma lagoa que forneceu os ingredientes para a cozinha da dona Oscarlina, também foi responsável pela primeira mudança de endereço do Bar das Ostras. As diversas cheias da Mundaú trouxeram prejuízos consideráveis aos proprietários, que resolveram, em 1988, levar o estabelecimento para a Rua Teonilo Gama, no Trapiche da Barra. O bar original ainda foi mantido em funcionamento por algum tempo. “Os turistas já estavam reclamando do acesso ao local”, explicou Marta Silva.

Um detalhe importante lembrado por Marta é que nas novas instalações, dona Oscarlina instalou um fogão industrial e não deu certo: a comida adquiriu gosto diferente. Foi retirado e as estruturas de ferro do antigo fogão a carvão foram reinstaladas.

No final dos anos da década de 1990, o bar fez sua última mudança de endereço, indo se estabelecer à Rua Paulina Maria de Mendonça, esquina com a Rua José Luiz Calazans, no bairro da Jatiúca.

Em 2002, fechou as portas definitivamente e as filhas de dona Oscarlina, que ainda mantinham o negócio, se mudaram para Natal, no Rio Grande do Norte.

Receita revelada

Marta, uma das filhas de Dona Oscarlina, em 1989

Motivada pela informação de que a receita do famoso camarão utilizava leite de coco, um dos produtos mais comercializados pela empresa, a Sococo procurou as herdeiras de dona Oscarlina em Natal e adquiriu o segredo guardado durante décadas.

Para revelar publicamente como se cozinhava a iguaria, a Sococo organizou, nos dias 19 e 20 de julho de 2011, uma oficina culinária sob o comando do chefe Wanderson Medeiros e com a presença das filhas de dona Orcarlina, que vieram executar a receita.

A grande surpresa para todos foi a revelação que não existia coco entre os ingredientes utilizados. O forte mesmo do camarão era uma quantidade razoável da nossa manteiga sertaneja.

Dias depois da oficina, em 22 de julho de 2011, a Sococo, que completava 45 anos de existência, protocolou o pedido de tombamento do Camarão do Bar das Ostras como Patrimônio Imaterial de Alagoas.

O “Camarão Alagoano – Bar das Ostras” foi registrado como o primeiro bem imaterial tombado em Alagoas, por decisão do Conselho Estadual de Cultura, que aprovou resolução no dia 9 de abril de 2013.

Filhas de Dona Oscarlina durante a oficina que revelou a receita do Camarão do Bar das Ostras em 2011

Receita do Camarão

INGREDIENTES:

01 Kg de camarão vila franca
01 tomate
1/2 cebola
1/3 de pimentão verde
01 colher de vinagre Pimentão ou Tomatão
1/2 limão
02 colheres de azeite de oliva
600g de manteiga artesanal de Batalha ou Major Izidoro
1/3 de maço de coentro
02 colheres de extrato de tomate concentrado

MODO DE PREPARO:

– Colocar em água fervente os camarões, deixar por 10 minutos. Em seguida retirar os camarões da água fervente e colocá-los em água fria e descascar.

– Após limpar os camarões, colocá-los novamente na água com um pouco de sal, deixar ferver por uns 5 minutos. Esfriar e reservar.

– Colocar no liquidificador o tomate, a cebola, o pimentão, o coentro, vinagre e extrato de tomate.

– Em seguida, colocar o molho liquidificado numa panela, leve ao fogo, acrescentando o azeite, limão, deixe cozinhar por 10 minutos, sem reduzir o volume. Mexendo sempre.

– Coloque a metade da manteiga, os camarões, continue mexendo, acrescente o resto da manteiga, deixando ferver por minuto em fogo baixo.

RENDIMENTO: 2 porções

Receita da Farofa 

INGREDIENTES:

01 cebola grande cortada em rodelas
1/3 xícara de óleo
1/3 Xícara de extrato de tomate concentrado
200g de manteiga artesanal
01 ½ kg de farinha de mandioca quebradinha
01 colher de sopa de colorau
Sal a gosto

MODO DE PREPARO:

– Em uma panela colocar o óleo e a cebola, até que fique transparente.

– Acrescente a manteiga, o extrato de tomate e o colorau, mexer até dissolver.

– Aos poucos colocar farinha misturando com a colher. Provar e acertar a quantidade de sal.

RENDIMENTO: 4 porções

 

13 Comments on Bar das Ostras e a receita do seu famoso camarão

  1. Carlos alves // 3 de julho de 2017 em 19:56 //

    A maior mentira que já vi.Essa receita não tem o paladar do verdadeiro camarao das ostras,repassaram a receita aos jornais e mais uma vez enganaram os leitores, é lamentavel.

  2. Carlos alves // 3 de julho de 2017 em 19:58 //

    Ainda com a cara de pau repassam como patrimonio imaterial uma mentira.

  3. Cristiano Correia Silva // 3 de julho de 2017 em 20:33 //

    Só que o prato era camarão, peixe e sururu. Hoje estão servido só o camarão. Eu frequentei os três restaurante, tanto na lagoa, no trapiche e na Jatiúca.

  4. Bernardo Caldas // 4 de julho de 2017 em 08:05 //

    Eita turma Boa a família bar das ostras.

  5. As referências do primeiro lugar está errada. O Colégio Rui Palmeira fica a pelo menos 600 m da Av. Cruzeiro do Sul!!

  6. Fui muitas vezes almoçar no bar das ostras aos domingos com o meu marido nos anos de 81,82,83 e , 84, quantas saudades…

  7. Sinto muita saudade do Bar das Ostras, Tempos bons que não voltam mais…

  8. Ticianeli // 5 de julho de 2017 em 08:33 //

    Caro Arlan, o texto diz; “O bar ficava na Rua Cruzeiro do Sul, nº 487, e o acesso se dava pela Rua Balbino Lopes, ao lado do Colégio Rui Palmeira”. A Rua Balbino Lopes é que fica ao lado do Colégio Municipal Rui Palmeira, no início da Av. Monte Castelo.

  9. Rose mary Ferreira barbosa // 5 de julho de 2017 em 10:30 //

    Camarão delicioso nunca comi igual; se a receita é falsa é triste mas vou tentar, comi ainda no Restaurante da da lagoa rosemaryary@gmail.com

  10. Marcos Vieira // 5 de julho de 2017 em 21:00 //

    Tive a honra de indicar ao Dr. Emerson Tenório o desejo das filhas de dona Oscarlina de repassar a receita tão famosa; as conheci através de uma amiga comum, dona Jandira, recentemente falecida, membro do coral da Etfal e da Igreja Católica do Trapiche. Emerson Tenório então encarregou o jornalista e hoje Secretário Estadual de Comunicação, Ênio Lins de felizardo a compra da receita e assim foi feito. O “Camarão do Barcelona das Ostras” foi tornado patrimônio imaterial de Alagoas no governo Teotônio Vilela Filho.

  11. Marcos Antonio da Rocha Vieira // 5 de julho de 2017 em 21:20 //

    Parabenizo ao Dr. Emerson Tenório da Socôco por ter possibilitado a famosa receita se tornar pública e com muita alegria informo que tive participação nesse fato quando o informei do desejo das filhas da d.Oscarlina de venderem aquilo que até então era um segredo da família guardado a 7 chaves; é foi graças a uma amiga comum, de. Jandira que era membro do coral da Etfal e da Igreja Católica do Tradições que eu soube da intenção da venda e é verdade que as referidas filhas estavam morando em Natal. O Emerson Tenório então encarregou o hoje Secretário Estadual de Comunicação Ênio Lins de fechar o negócio, o que foi feito, sendo que a receita foi transformada em Patrimônio Imaterial no governo de Teotônio Vilela Filho e tornada de uso público.

  12. Grineide Cunha // 6 de julho de 2017 em 13:18 //

    A receita divulgada não condiz com famosa do bar( primeiro) das ostras. Todos os finais de semana íamos almoçar. E, algumas vezes jantar.

  13. Sou sertaneja de Pernambuco, quando comi o camarão do Bar das Ostras disse logo que o camarão era feito com manteiga da terra, o sabor era d pura manteiga.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*