Atalaia, o velho Arraial dos Palmares

A Vila de Atalaia foi criada em 1° de fevereiro de 1764
Vista parcial de Atalaia em 1958

Vista parcial de Atalaia em 1958

Com o fim dos combates, em 1694, em que os portugueses liderados por Domingos Jorge Velho derrotam o Quilombo dos Palmares, a área ocupada é dividida em sesmarias que são distribuídas entre os vencedores.

Coube a Domingos Jorge Velho a ocupação do planalto que funcionava como ponto de observação. Foi o próprio bandeirante quem mandou erguer a primitiva igreja de Nossa Senhora das Brotas. Assim surgiu o Arraial dos Palmares, núcleo que deu início ao povoamento do hoje município de Atalaia.

Atalaia já foi conhecida como Vila Real de Bragança

Atalaia já foi conhecida como Vila Real de Bragança

Com o passar dos anos, os habitantes solicitaram ao rei que o local fosse denominado Vila Real de Bragança, em homenagem ao monarca português. Nesse período, o arraial também ficou conhecido como de N. Sª das Brotas. Segundo alguns historiadores, Sua Alteza atendeu ao pleito e elevou o arraial à categoria de vila, mas quis homenagear ao Visconde de Atalaia, nobre do Condado de Citarem em Portugal, nominando o lugar como Vila de Atalaia.

A Idéia Geral da População da Capitania de Pernambuco fixa a data da criação da vila em 1° de fevereiro de 1764, passando a ser a quarta vila de Alagoas. Atalaia não tem data de emancipação e sim data de criação.

Por muitos anos, antes e depois da proclamação da independência do Brasil, foi o município um dos mais importantes e ricos empórios do comércio da antiga província

Por muitos anos, Atalaia foi um dos mais importantes e ricos empórios do comércio da antiga província

Entretanto, há estudos que afirmam que a vila foi criada antes desta data, em 1727, com o nome de Vila Real de Bragança. Os defensores desta data encontram sustentação no Dicionário Geográfico Brasileiro, de Saint Adolphe. Há ainda quem afirme que a elevação à vila se deu no tempo em que Manoel Gouveia Álvares, 10° Ouvidor de Alagoas (1762-65), administrava esta parte da capitania pernambucana.

Por muitos anos, antes e depois da proclamação da independência do Brasil, foi o município um dos mais importantes e ricos empórios do comércio da antiga província. Depois desta época de prosperidade, isto é, depois de 1831, tornou-se centro de atrocidades contra os portugueses, detentores das maiores fortunas e das melhores casas de comércio. Denominavam os portugueses de puças, corcundas e marinheiros.

A primeira capela em homenagem a Nossa Senhora das Brotas foi construída por Domingos Jorge Velho

A primeira capela em homenagem a Nossa Senhora das Brotas foi construída por Domingos Jorge Velho

Em consequência de lutas políticas, foi assassinado o Vigário da freguesia, padre José Vicente de Macedo, o qual tinha tanta influência política que em 1834 chegou a ser eleito deputado geral, conseguindo o mesmo para seu coadjutor, padre Inácio Joaquim da Costa, e para seu sacristão, Francisco Remígio de Albuquerque e Melo.

Tantos foram os assassínios cometidos que os habitantes foram se retirando para outros pontos, enfraquecendo o comércio e trazendo decadência a Atalaia.

Não é conhecida a data exata da criação da freguesia de Atalaia. Geralmente é tida como 1763, data que o trabalho Idéia da População da Capitania de Pernambuco, publicado na Revista do Instituto Histórico de Alagoas, n° 1 927, dá como positiva, e que deve considerar-se como verdadeira em face da antiguidade do documento.

Em 1749 já existia a Missão de Nossa Senhora das Brotas, padroeira do município. Atualmente a paróquia está subordinada à Arquidiocese de Maceió. Até 23 de abril de 1833, fez parte da comarca de Alagoas, quando foi constituída pelo Conselho do Governo da Província a sua comarca, abrangendo as vilas de Atalaia; Assembléia, hoje Viçosa; e Imperatriz, hoje União dos Palmares.

Igreja de N.S. da Conceição

Igreja de N.S. da Conceição

Em 1853 teve mais o termo da vila de Palmeira dos Índios, então criada, o qual perdeu em 1838, quando passou para a de Anadia. Perdeu o termo de Imperatriz, e bem assim o de Assembléia, feitos comarcas em 1854.

Em 1859, pela Lei n° 359, de 11 de julho, teve o termo da vila do Pilar, desmembrado da comarca de Alagoas. Readquiriu o da vila de Assembléia em 1870; em 1872 perdeu o do Pilar, elevado a comarca.

Em 1875, a Resolução n° 681 fazia-a perder o de Assembléia, erigido em comarca, o que não se efetuou por ser a Resolução revogada em 1876 por Lei n° 733. Em 1890 foi-lhe acrescido o termo da vila de Paraíba, então criada, e o de Atalaia.

Em 1931, pelo Decreto n° 1 500, teve novamente o termo do Pilar, com a extinção dessa comarca, perdendo-a quando foi restabelecida, em 1934. Segundo o quadro da divisão administrativa em vigor, fixado pela Lei n° 1 785, de 5 de abril de 1954, o município é composto de dois distritos: Atalaia e Sapucaia.

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Atalaia anteriormente a 1762. Elevado à categoria de vila com a denominação de Atalaia, entre os anos de 1762 e 1765. Elevado à condição de cidade com a denominação de Atalaia, pelo decreto estadual nº 88, de 15 de março de 1891.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído do distrito sede.

Companhia Metalúrgica de Alagoas - COMESA, em Atalaia nos anos 70

Companhia Metalúrgica de Alagoas – COMESA, em Atalaia nos anos 70

Assim permanecendo em divisão territorial datada 1º de julho de 1950.

Pela lei nº 1785, de 5 de abril de 1954, é criado o distrito de Sapucaia ex-povoado e anexado ao município de Atalaia.

Em divisão territorial datada de 1º de julho de 1960, o município é constituído de distritos: Atalaia e Sapucaia.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte: IBGE

2 Comments on Atalaia, o velho Arraial dos Palmares

  1. antonio lima filho // 15 de Abril de 2016 em 20:56 //

    saudades da minha terra..

  2. OLAVO CABRAL // 19 de Abril de 2016 em 12:49 //

    Na primeira foto, reconheço a quarta casa à direita como sendo a do meu avô “Coronel” Né Miranda
    Lindas as fotos da Igreja, que se mantem íntegra até hoje e onde em 7 de dezembro de 2014 foi realizada uma missa de ação de graças para mim que estava lá para pagar uma promessa.
    Foi emocionante assistir, participar e agradecer com toda minha familia.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*